PremiumAçores podem entrar em “apagão” se cabo submarino não for substituído em tempo útil

Cabo submarino pode tornar-se obsoleto entre 2024 e 2025 nas ligações entre o Continente e as regiões autónomas. A infraestrutura garante serviços considerados essenciais nas áreas da energia e das comunicações eletrónicas.

Os Açores correm o risco de entrar em “apagão” se o cabo submarino que liga o território continental às regiões autónomas da Madeira e dos Açores não for substituído em tempo útil. O atual cabo pode tornar-se obsoleto em 2024, no caso da ligação com os Açores, e em 2025, na ligação com a Madeira.

A secretária regional das Obras Públicas e Comunicações dos Açores, Ana Carvalho, diz ao Económico Madeira que considera de “prioridade máxima” a substituição deste cabo, visto ser “absolutamente essencial” à vida dos habitantes nas regiões autónomas, alertando que em caso de indisponibilidade pode colocar em risco a proteção e socorro às populações e à sua segurança, além de afetar um sem-número de serviços essenciais e de outras infraestruturas críticas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 10 de dezembro.

Recomendadas

PremiumMemórias pessoais e transmissíveis

Mas os diários da minha tia Gália eram de um tipo muito específico: à medida que os lia, a sua textura peculiar — que se assemelhava sobretudo a uma rede de pesca de malha grande — tornava‑se cada vez mais enigmática e interessante.

PremiumGeorge Clooney e o Speedmaster ’57

Coincidindo com o 65º aniversário da linha Speedmaster, a coleção completa Omega Speedmaster ’57 inclui agora oito novos modelos.

PremiumBiografia de Lula Inácio da Silva

Para lá das emoções que provoca, positivas ou negativas, Lula da Silva está entre as maiores figuras políticas da história do Brasil. Oriundo da classe operária, opositor ativo e convicto de uma ditadura militar que sufocou a sociedade e a economia brasileiras entre 1964 e 1985, a sua história e as suas lutas confundem-se com as de um povo que, por duas vezes, o elegeu presidente da nação.
Comentários