ACT lança guia “Trabalhar em Portugal” em sete línguas

Disponível em português, inglês, bengali, hindi, nepalês, mandarim e ucraniano, o guia digital tem como objetivo dar a conhecer os direitos e deveres do trabalhador estrangeiro em Portugal.

A Autoridade para as Condições do Trabalho lançou o guia “Trabalhar em Portugal”, dirigido aos trabalhadores estrangeiros em território nacional. É digital e está disponível em sete idiomas: português, inglês, bengali, hindi, nepalês, mandarim e ucraniano.

O guia tem como objetivo dar a conhecer os direitos e deveres do trabalhador estrangeiro em Portugal. Igualdade e não discriminação, contrato de trabalho, pagamento do salário e outras retribuições, horário de trabalho, tempo de descanso, faltas, formação, parentalidade, Segurança e Saúde no Trabalho, seguro de acidentes de trabalho e inscrição na Segurança Social são os principais temas abordados.

“Com estes guias, pretendemos ajudar e proporcionar uma adaptação mais rápida e mais informada a todos quando chegam ao nosso país para trabalhar e que, essencialmente, procuram melhores condições de vida para si e para os seus familiares.

Assegurar que temos condições de trabalho dignas, é o mais forte contributo da ACT para um mundo do trabalho cada vez mais aberto e global”, explica Fernanda Campos, Inspetora-Geral da ACT.

Recomendadas

CRC do Banco de Portugal. Afinal, de que se trata?

A Central de Responsabilidades de Crédito (CRC) é uma base de dados gerida pelo Banco de Portugal que contém informação prestada pelas entidades participantes (instituições que concedem crédito) sobre os créditos concedidos aos seus clientes.

É jovem e quer abrir a sua primeira conta bancária? Saiba aqui algumas dicas

Hoje pode optar por abrir conta sem sair de casa e com garantia de segurança. Quase todos os bancos oferecem um conjunto de serviços através de aplicações que poderá utilizar para consulta e efetuar transações.

80% dos que se despediram em 2022 arrependem-se da decisão, aponta estudo

O fenómeno que ficou conhecido como ‘a grande demissão’ resultou num grande arrependimento. 80% dos trabalhadores que largaram os seus empregos no ano passado gostaria de voltar atrás na decisão, revela um estudo da Paychex.
Comentários