ACT registou este ano 102 acidentes de trabalho mortais

Construção e indústria transformadora são os setores de atividade onde se verificou o maior número de acidentes de trabalho mortais.

De janeiro a setembro registaram-se 102 acidentes de trabalho mortais, dois dos quais de trabalhadores não declarados e 185 acidentes graves, três sofridos por trabalhadores não declarados.

O balanço é feito pela Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT), que disponibiliza hoje, na sua página eletrónica, os dados estatísticos relativos a acidentes de trabalho mortais e graves ocorridos este ano.

Os números referem-se aos acidentes comunicados e objeto de inquérito pela ACT.

Os setores de atividade onde ocorreram os acidentes e mortes no trabalho são a construção, agricultura, indústria transformadora, comércio por grosso e a retalho e transportes e armazenagem.

A comparação com o período homólogo revela o aumento dos acidentes de trabalho mortais na construção e indústria transformadora e a diminuição no setor agrícola, avança a ACT em comunicado.

De acordo com as estatísticas, entre janeiro e setembro registaram-se 30 acidentes mortais na construção e 24 nas indústrias transformadoras. A grande maioria dos acidentes mortais (96) ocorreu com sinistrados homens. O maior número verificou-se novamente nas microempresas (38).

Em 2015 ocorreram 142 acidentes de trabalho mortais e 417 acidentes graves.

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários