Acusação de violação contra Cristiano Ronaldo arquivada devido a irregularidades

Foi arquivada a acusação de violação por parte de Kathryn Mayorga contra Cristiano Ronaldo. A juíza Jennifer Dorsey decidiu punir a advogada de Mayorga, Leslie Mark Stovall, acusada de ter recorrido a documentos que detalhavam conversas entre Cristiano Ronaldo e a sua equipa de advogados, obtidos de forma ilegal.

O processo de alegada violação interposto por Katryn Mayorga a Cristiano Ronaldo foi arquivado e a juíza alega “má fé” na conduta da advogada da queixosa.

Cristiano Ronaldo e Georgina Rodriguez já reagiram, ainda que de forma indireta, publicando uma mesma imagem, lado a lado, mas sem comentários.

O tribunal de Las Vegas, nos Estados Unidos da América, arquivou o pedido de Kathryn Mayorga, que pedia uma indemnização de milhões de dólares ao futebolista, devido a uma  alegada violação, ocorrida em 2009.

A juíza, Jennifer Dorsey, negou o requerimento da norte-americana, confirmando o pedido de arquivamento da queixa, ocorrido em outubro de 2021, ordenado por um juiz do estado de Nevada, dando razão aos advogados de Cristiano Ronaldo, segundo a agência Associated Press (AP).

Kathryn Mayorga, que acusa o internacional português de a ter violado num hotel em Las Vegas, recebeu 375 mil dólares (354.664 euros) por acordo confidencial, em agosto de 2010, mas chegou a pedir uma indemnização de 25 milhões de dólares (23,6 milhões de euros).

A juíza que agora mandou arquivar o processo acusa o advogado de Kathryn Mayorga de alimentar de “forma inadequada” o processo por danos civis com documentos confidenciais roubados que documentavam a comunicação entre Ronaldo e os seus advogados.

Na sexta-feira passada, a juíza Dorsey, escreveu no relatório de 42 página que arquiva o processo, que a conduta do advogado da queixosa tinha prejudicado Cristiano Ronaldo.

“O uso continuado destes documentos foi má-fé”, escreveu.

Da mesma forma, em 2021, num relatório de 23 páginas dirigido à juíza Jennifer Dorsey, citado também pela AP, o magistrado Daniel Albregts, que recomendava o arquivamento, escreveu: “Rejeitar o caso de Mayorga pela conduta inadequada do seu advogado é uma consequência difícil. Mas é, infelizmente, a única sanção apropriada para garantir a integridade do processo judicial”, acrescentou, defendendo que “Stovall agiu de má-fé em detrimento do seu cliente e da sua profissão”.

Daniel Albregts referiu, no seu relatório, que o tribunal não tomou nenhuma decisão sobre se Ronaldo cometeu um crime e não encontrou evidências de que os seus advogados “intimidaram Mayorga ou impediram a aplicação da lei” quando a ex-modelo retirou as acusações criminais e aceitou o acordo confidencial, no valor de 375 mil dólares, em agosto de 2010.

 

Recomendadas

A Casa de portas abertas: Open House Porto regressa nos dias 2 e 3 de julho

A 7.ª edição do certame propõe o tema “Casa” para explorar os 74 locais que se abrem à cidade e ao público em 2022. Mais de metade dos espaços dão-se a conhecer em estreia absoluta.

PSD: um líder a chegar e outro à espreita para 2025. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Palácio das Cardosas: um refúgio no coração da Invicta

Integrado na cadeia de hotéis IHG – InterContinental Hotels Group, a unidade hoteleira acaba de inaugurar 23 novos quartos e suítes. A decoração foi inspirada no Porto, com esquemas de cores baseados nos edifícios coloridos da cidade, camas e outros elementos com designs que refletem as seis pontes e um jardim vertical com influência do Jardim Municipal do Horto das Virtudes.
Comentários