Adelaide Cavaleiro aprovada pela Cresap para a administração da ASF

Depois do parecer favorável da Cresap, quer Adelaide Cavaleiro, quer Diogo Alarcão terão de depor perante a Comissão de Orçamento e Finanças do Parlamento. O que deverá ocorrer em Setembro.

Depois de Diogo Alarcão, foi a vez de Adelaide Cavaleiro ter sido aprovada pela Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP) para o para o conselho de administração da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), apurou o Jornal Económico. A luz verde foi dada ainda antes das férias, segundo fontes próximas ao processo.

O regulador do setor dos seguros e fundos de pensões terá em breve os lugares vagos preenchidos no seu Conselho de Administração.

Neste momento, o conselho de administração da ASF tem três membros, mas o vice-presidente Filipe Serrano, cujo mandato terminou em 2017 e deixa as suas funções e é substituído por dois novos administradores, Diogo Alarcão, que o Jornal Económico avançou em primeira mão e Adelaide Cavaleiro, notícia avançada pelo Eco.

A ASF tem como presidente Margarida Corrêa de Aguiar e como vogal do Conselho de Administração Manuel Caldeira Cabral (ex-ministro da Economia que vai manter-se em funções).

Depois do parecer favorável da Cresap, ambos terão de depor perante a Comissão de Orçamento e Finanças do Parlamento. O que deverá ocorrer em Setembro.

A audição parlamentar é obrigatória no que diz respeito a nomeações para as entidades reguladoras, mas a avaliação dos deputados não é vinculativa para a decisão final do Governo em Conselho de Ministros.

Adelaide Cavaleiro era diretora da BBVA Asset Management e Diogo Alarcão foi ex-CEO da Mercer Portugal

A nova administradora da ASF é Licenciada em matemática pela Universidade de Lisboa e tem um MBA da Universidade Católica. Trabalha em Fundos de Pensões desde 1992.

Recomendadas

Sindicatos culpam Montepio por impasse nas negociações salariais

A “responsabilidade deste impasse” na negociação salarial “é inteiramente do Montepio Geral”, afirmam o SNQTB e o SIB, que propuseram uma atualização salarial, das pensões e cláusulas de expressão pecuniária de 1,3% para 2021 e 5,5% para 2022.

Sistema bancário e financeiro tem que ter “robustez” para lidar com “disruptores operacionais”

A nova administradora do BdP refere duas preocupações principais para os bancos centrais: a salvaguarda da resiliência do sistema, tão mais importante com o advento da digitalização e das moedas cripto, bem como a garantia de conduta para assegurar a confiança no sistema em si.

“Podem pensar-se” soluções para mitigar efeito dos juros nas famílias, diz Máximo dos Santos

A subida das taxas de juro “tem consequências negativas para os portugueses”, afirmou o vice-governador do Banco de Portugal no Parlamento, notando não ser “fácil encontrar soluções para mitigar esse efeito, ainda que algumas possam pensar-se”.
Comentários