Adesão à greve do Metro de Lisboa próxima dos 100%, diz sindicato

Além da paralisação de 24 horas, os trabalhadores cumprem até ao final deste mês uma greve ao trabalho suplementar e eventos especiais.

A circulação do Metropolitano de Lisboa encontra-se interrompida devido a uma greve que começou às 00:00, embora as carruagens tenham circulado até às 01:30, o que para a federação sindical que promove o protesto é “uma violação” pela empresa.

Convocada pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), a paralisação, entre as 00:00 e as 24:00 de hoje, decorre contra a falta de condições de trabalho e os aumentos salariais de 0,9% propostos pela administração, entre outros motivos.

Anabela Carvalheira, representante sindical da Fectrans, disse esta manhã à agência Lusa que o protesto está a ter uma adesão próxima dos 100% e que a circulação só deverá ser retomada às 06:30 de segunda-feira, conforme perspetivou também a empresa.

A sindicalista referiu que os trabalhadores entraram em greve às 00:00, mas a empresa fez com que as carruagens circulassem até às 01:30, o que, no seu entender, representa “uma violação” dos acordos estabelecidos sobre o direito à greve.

A Lusa tentou contactar um representante da empresa, sem sucesso.

A greve, que coincide com um fim de semana em que decorre na cidade o festival de música Rock in Rio, provocou perturbações no serviço desde as 23:00 de sábado.

Segundo o sindicato, os trabalhadores decidiram manter a paralisação, prevista há algumas semanas, apesar do anúncio pelo Metropolitano de Lisboa de que já iniciou a contratação de maquinistas e o reforço das equipas de manutenção.

As contratações decorrem de uma autorização concedida pelo Governo, no âmbito do Plano de Atividades e Orçamento de 2022, para a contratação de 58 trabalhadores: 34 agentes de tráfego, 13 oficiais de manutenção, dois inspetores de obra e nove técnicos especializados.

Outro dos assuntos que não têm a concordância das organizações sindicais é o aumento salarial de 0,9% proposto pela empresa, que os sindicatos consideram estar “muito abaixo da inflação do país”.

Além da paralisação de 24 horas, os trabalhadores cumprem até ao final deste mês uma greve ao trabalho suplementar e eventos especiais.

O Metropolitano de Lisboa opera diariamente com quatro linhas: Amarela (Rato-Odivelas), Verde (Telheiras-Cais do Sodré), Azul (Reboleira-Santa Apolónia) e Vermelha (Aeroporto-São Sebastião).

Normalmente, o metro funciona entre as 06:30 e as 01:00.

Recomendadas

Coimbra. Sindicato mantém greve nos transportes urbanos para agosto

O Sindicato Nacional dos Motoristas e Outros Trabalhadores (SNMOT) vai manter a greve para os trabalhadores dos Transportes Urbanos de Coimbra em agosto, afirmou hoje dirigente sindical, após reunião com a Câmara Municipal.

Costa sobre mobilidade: “O melhor a fazer é estacionar o automóvel”

O primeiro-ministro defendeu, esta sexta-feira, que as cidades têm de se habituar num curto espaço de tempo a viver sem automóvel, defendendo que não basta a intervenção nas ligações interurbanas, sendo necessário olhar para os sistemas urbanos e periurbanos.

Aeroporto. “Governo não aproveitou pandemia para fazer estudo de avaliação ambiental estratégica”, diz Marques Mendes (com áudio)

Para o comentador mais do que escolher a localização do novo aeroporto de Lisboa é importante que seja realizado este estudo. “Já se sabe desde março de 2020 que tem de ser feito”, salientou.
Comentários