Adesão dos associados às eleições da Mutualista Montepio não chegou a 25 mil votos

A participação dos associados da Mutualista Montepio Geral não chegou a 25 mil votos. Em 2018 foram 43.200.

Ainda não há resultados apurados das eleições da Associação Mutualista Montepio Geral, mas o Jornal Económico apurou que menos de 25 mil associados votaram nas várias plataformas disponíveis – por correspondência, online e presencial. O que compara com 43.200 associados nas eleições de 2018 onde concorria Tomás Correia.

Foram 16.000 votos online e presencial e 8.300 por correio, apurou o JE.

A adesão dos mais de 600 mil associados não foi expressiva. Isto apesar de este ano na votação, haver a novidade de os associados poderem fazer o voto eletrónico, que se junta assim aos votos presencial (cujos sítios onde se pode votar também foram alargados) e por correspondência.

O investimento da associação para facilitar a votação em massa, que segundo fontes rondará os 2,5 milhões de euros, não compensou em votos.

São quatro os candidatos à liderança da Associação Mutualista Montepio Geral, para o mandato 2022-2025. Virgílio Lima lidera a lista A e é o atual presidente; Pedro Corte Real lidera a lista B; Eugénio Rosa lidera a lista C e Pedro Gouveia Alves lidera a lista D.

Recomendadas

Nextbitt quer ganhar terreno no exterior enquanto investe no desenvolvimento tecnológico aliado à sustentabilidade

Numa conversa com jornalistas durante a manhã desta quarta-feira, Miguel Salgueiro, partner da NextBITT, deu a conhecer a estratégia delineada pelo grupo para a evolução da sua oferta e da sua plataforma visando os desafios ambientais com os quais o sector se depara.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Inflação leva 53% das empresas a restringir a capacidade de expansão, diz Intrum

O estudo da Intrum revela que “41% das empresas portuguesas usam a venda com pré-pagamento como proteção contra os atrasos de pagamento perante a inflação e 53% já está a restringir expansão dos negócios”.
Comentários