Adesão total à greve das chefias da guarda prisional em Guimarães, Elvas e Sintra

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação Sindical de Chefias do Corpo da Guarda Prisional (ASCCGP), Hermínio Barradas, remeteu um ponto de situação geral para depois das 10:00, mas disse já ter recebido informação de uma adesão de 100% pelo menos nestes três estabelecimentos prisionais.

A adesão à greve das chefias da guarda prisional é de 100% pelo menos nas cadeias de Guimarães, Elvas e Sintra, segundo a associação sindical que convocou a paralisação, que admite algum impacto na segurança nas cadeias.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação Sindical de Chefias do Corpo da Guarda Prisional (ASCCGP), Hermínio Barradas, remeteu um ponto de situação geral para depois das 10:00, mas disse já ter recebido informação de uma adesão de 100% pelo menos nestes três estabelecimentos prisionais.

“As pessoas estão a ir embora e está a haver alguma confusão”, afirmou o responsável, acrescentando: “não temos serviços mínimos de meios. Os chefes que se declaram em greve vão-se embora e ficam os guardas sozinhos, com o diretor”.

Segundo disse, “na sexta-feira havia outra greve e ficavam dois [chefes] nas cadeias grandes e um nas cadeias pequenas”, mas ” hoje não fica chefe nenhum em cadeia nenhuma, desde que se declare em greve”.

Questionado sobre se a situação pode ser problemática em termos de segurança no interior das cadeias, Hermínio Barradas respondeu: “Não podemos de deixar de ter em conta que terminou uma greve de cinco dias do sindicato maior, em que os reclusos estiveram só com duas horas de pátio e que todas as atividades estão pendentes desde terça-feira”.

A greve serve para exigir um novo estatuto profissional, pagamento de suplementos e outras reivindicações. Num comunicado sobre os motivos da paralisação, a ASCCGP apontou inércia, a apatia e a desconsideração do Ministério da Justiça sobre os problemas do sistema prisional” e criticou a “opção do Governo de continuar a ignorar a existência de uma inédita (…) falta (…) de efetivo, indesejável e arriscada”.

De acordo com a associação sindical, as chefias da guarda prisional pretendem a criação de um novo estatuto profissional, a regulamentação da avaliação de desempenho do corpo de guarda prisional, a abertura de concursos para todas as categorias, o pagamento do suplemento de segurança prisional e a resolução de problemas estruturais no sistema prisional.

Recomendadas

Reabilitação do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra já foi consignada

A primeira fase de reabilitação dos pavilhões do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra, orçada em 338 mil euros, foi consignada hoje, revelou o município.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Três desalojados após incêndio numa habitação no concelho de Pedrógão Grande

Três pessoas ficaram hoje desalojadas na sequência de um incêndio numa habitação em Troviscais Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, norte do distrito de Leiria, disse à agência Lusa fonte dos bombeiros locais.
Comentários