Adeus Europa, olá rombo no cofre

Águias “abdicaram” de milhões da Champions e têm garantida quebra de receitas. Tudo por causa de uma marca que ainda é de Eriksson. O último treinador das águias a conseguir conquistar dois campeonatos consecutivos foi o sueco Sven-Goran Eriksson nas épocas de 1982/83 e 1983/84. Por isso, e porque mais de trinta anos sem repetir […]

Águias “abdicaram” de milhões da Champions e têm garantida quebra de receitas. Tudo por causa de uma marca que ainda é de Eriksson.

O último treinador das águias a conseguir conquistar dois campeonatos consecutivos foi o sueco Sven-Goran Eriksson nas épocas de 1982/83 e 1983/84. Por isso, e porque mais de trinta anos sem repetir a conquista de um título nacional é muito tempo para um clube com a história do Benfica, a aposta para 2014/15 foi clara e assumida por toda a estrutura: vencer o bicampeonato e iniciar um período de hegemonia no futebol português.
No entanto, quanto mais as águias se focam nesse objetivo, mais longe parece ficar o brio europeu, a capacidade que os encarnados tinham para vencer em qualquer estádio europeu e conquistar pontos na reputada e desejada Liga dos Campeões. Desde a época em que o Benfica assumiu secretamente que seria possível concretizar o sonho de vencer a Liga dos Campeões numa final no Estádio da Luz (temporada em que as águias perderam o campeonato na penúltima jornada e saíram derrotados da final da Liga Europa frente ao Chelsea… quase perdendo também Jorge Jesus) que a Champions tornou-se, para os encarnados, numa espécie de canto da sereia ao qual é preciso resistir de forma tenaz. Aparentemente e apesar das outras equipas do grupo estarem ao alcance deste Benfica, o plano seria cair novamente para a Liga da Europa e aí, com um nível de exigência menos intenso, manter um registo de vitórias internas e na Europa. Mas Jardim tinha outros planos e naquele estilo sóbrio, tirou as águias da Europa com uma vitória que ninguém previa.
Com um jogo a faltar para cumprir o calendário europeu desta época, o Benfica poderá, em caso de vitória na Luz frente ao Leverkusen, amealhar mais um milhão de euros num total de receitas que deverá chegar aos 11,1 milhões de euros, uma verba aquém da angariada na última época com 12,1 milhões de euros da Liga dos Campeões mais 4,4 milhões provenientes da boa prestação na Liga Europa.
Juntando outras verbas, o Benfica chegou a um prémio 20,4 milhões na época transata o que faz com que os encarnados tenham, esta temporada, uma quebra de 50% nas receitas europeias.

Recomendadas

SAD do Sp. Braga com resultado positivo de 3,1 milhões de euros na época passada

Relativamente ao exercício financeiro que terminou a 30 de junho deste ano, que ainda não refletem a venda do passe futebolístico do defesa central David Carmo (transferência fechada para o FC Porto na ordem dos 20 milhões de euros), a SAD dos bracarenses destaca que este foi um período “pautado por múltiplos constrangimentos associados à pandemia”.

“Jogo Económico”. “Não é aceitável que as claques sejam instrumentalizadas para satisfazer atitudes tribais”

Emanuel Macedo de Medeiros, o português que lidera a Sport Integrity Global Alliance foi o convidado da última da edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma multimédia JE TV, e abordou a génese dos problemas que se eternizam no futebol em Portugal e apontou caminhos.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.