Adiada pela 3.ª vez votação sobre liderança do Mecanismo Europeu de Estabilidade

A discussão estava na agenda da reunião do Conselho de Governadores do MEE, do qual fazem parte os ministros das Finanças da zona euro, que estiveram reunidos esta manhã para um encontro informal na cidade checa de Praga, no âmbito da presidência da República Checa do Conselho da União Europeia.

Cristina Bernardo

Os ministros das Finanças da zona euro não conseguiram novamente hoje consenso sobre a nomeação do próximo diretor executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), cargo ao qual concorre João Leão, adiando a votação pela terceira vez.

A discussão estava na agenda da reunião do Conselho de Governadores do MEE, do qual fazem parte os ministros das Finanças da zona euro, que estiveram reunidos esta manhã para um encontro informal na cidade checa de Praga, no âmbito da presidência da República Checa do Conselho da União Europeia.

Pelo insucesso das consultas prévias à reunião de hoje do Eurogrupo para um consenso, o Conselho de Governadores do MEE nem se chegou a reunir para votar os dois nomes em cima da mesa para a liderança do MEE, os ex-ministros das Finanças português João Leão e luxemburguês Pierre Gramegna, o que levou a um terceiro adiamento da votação, informaram fontes europeias.

Um destes nomes deverá substituir o alemão Klaus Regling, que é diretor executivo do Mecanismo desde a sua criação, em 2012, e termina o seu mandato a 7 de outubro, pelo que a sucessão no MEE deveria acontecer a partir de 8 de outubro.

Perante este novo adiamento da votação, o assunto deverá voltar a ser discutido à margem da reunião do Eurogrupo de início de outubro pelo Conselho de Governadores do MEE, o órgão máximo de tomada de decisões do organismo que é composto por representantes governamentais de cada um dos 19 acionistas do mecanismo, os países do euro, com a pasta das Finanças. Portugal está representado pelo ministro da tutela, Fernando Medina.

Recomendadas

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.

Pais com “maior dificuldade” em pagar as despesas escolares dos filhos, alerta Deco

Estudo da Deco Proteste revela que os pais estão com maior dificuldade em pagar as despesas escolares dos filhos este ano. Mais de metade dos agregados familiares afirmam estar com mais dificuldades em fazer face aos custos com a escola dos filhos. E 42% conseguem pagar a maioria das despesas, mas não todas. Já quase três em cada dez confessam ser impossível enfrentar alguns gastos.

“Guerra fiscal” em Espanha provoca descida de impostos e nova taxa sobre fortunas

Espanha assiste estes dias a uma “guerra fiscal”, com governos regionais a anunciarem descidas e abolições de impostos a que o executivo nacional vai responder com um “pacote fiscal” que cria um imposto temporário sobre grandes fortunas.
Comentários