Adidas volta a baixar projeções para 2022 depois de quebra de patrocínio com Kanye West

A Adidas terminou recentemente a parceria com o ‘rapper’ Ye, anteriormente conhecido por Kanye West. A marca fez saber anteriormente que o término do acordo teria um impacto avaliado em 250 milhões de euros. A marca espera agora uma margem operacional de 2,5%, em vez da anterior previsão, que apontava para 4%.

A Adidas voltou a baixar as suas expetativas para os resultados relativos a 2022 esta quarta-feira, na sequência do quebrar do contrato de patrocínio com Ye, o rapper norte-americano anteriormente conhecido como Kanye West. A marca de vestuário desportivo espera agora uma margem operacional de 2,5%, em vez da anterior previsão, que apontava para 4%.

A empresa fez saber anteriormente que o término do acordo com a marca Yezzi, detida pelo artista — no âmbito do qual produzia produtos da mesma — teria um impacto avaliado em 250 milhões de euros.

A Adidas tinha avançado no mês passado com uma baixa nas expectativas relativamente aos resultados anuais, quando deu a conhecer as contas do terceiro trimestre, de acordo com as quais o lucro líquido passaria para 250 milhões de euros, ao invés de 500 milhões de euros.

O anúncio foi feito pela marca cinco dias depois de terminar a parceria com o rapper pelos comentários considerados antissemitas feitos pelo próprio em várias ocasiões, tanto em entrevistas como nas redes sociais.

Recomendadas

Greve na TAP. “Não vemos qualquer perturbação que hoje possa afectar os nossos clientes”, diz CEO

A TAP enfrenta hoje o primeiro de dois dias de greve convocada pelo sindicato dos tripulantes de cabine SNPVAC. Em entrevista ao Jornal Económico (que sairá na íntegra na edição de sexta-feira), a CEO da companhia, a francesa Christine Ourmiere-Widemer, diz que os clientes não estão a ser afetados pela paralisação.

TAP: Sindicato fala em adesão total à greve de tripulantes até às 08:30

“O balanço é prematuro, uma operação da TAP inicia-se por volta das 05:30 da manhã, o que sabemos até à data é que nenhum voo saiu sem ser serviços mínimos ou Portugália, portanto até agora a adesão é total”, disse à Lusa o presidente do SNPVAC, Ricardo Penarroias, no aeroporto de Lisboa, cuja operação, às primeiras horas da manhã, funcionava dentro da normalidade.

EDP Renováveis vai construir eólicas offshore com 2 gigas na Califórnia

A Ocean Winds – um consórcio da EDP Renováveis e da francesa Engie – e o Canada Pension Plan Investment Board vão desenvolver um projeto eólico offshore ao largo da costa central da Califórnia, comunicou esta manhã a EDP à CMVM. Em causa está uma licença com direitos de gestão de 32,5 mil hectares naquela área.
Comentários