Administração da CGD fica até à chegada de Paulo Macedo

Equipa de António Domingues garante às Finanças que fica na gestão da Caixa até à entrada de Paulo Macedo.

Cristina Bernardo

Ministério das Finanças garantiu ao Jornal Económico que a administração de António Domingues fica até à chegada da equipa de Paulo Macedo.

Não há ainda data de entrada de Paulo Macedo pois depende da autorização do regulador bancário. Os nomes da nova equipa da Caixa liderada por Paulo Macedo foram remetidos ao BCE a 19 de Dezembro.

Segundo o Jornal Económico soube, já houve um ajustamento à ideia inicial que pretendia pôr José de Brito como CFO (administrador financeiro) da CGD. Quem deverá ocupar essa função na administração será Francisco Cary que sai do Novo Banco.

O BCE está a fazer a análise de “fit and proper” à administração executiva escolhida por Paulo Macedo que é composta por Maria João Carioca ainda presidente da Bolsa de Lisboa, uma notícia avançada em primeira-mão pelo Jornal Económico: José João Guilherme, com quem trabalhou Paulo Macedo no BCP e que é ex-administrador Novo Banco; Nuno Martins, adjunto do secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix; José Brito, diretor da Caixa e responsável pelos mercados financeiros, e Francisco Cary, ex-administrador do BESI e administrador financeiro do Novo Banco.

Os jornais avançavam hoje que as férias de Natal e Ano Novo atrasaram o processo de avaliação do Banco Central Europeu (BCE) e que antes de dia 10 de Janeiro não entrariam na CGD, mas as Finanças não confirmaram essa informação.

Relacionadas

António Domingues: “O calendário final da capitalização [da CGD] resulta de decisão acionista”

“Quero agradecer a extraordinária experiência profissional, e pessoal, que me deram a oportunidade de viver. Em conjunto com uma extraordinária equipa de profissionais que me acompanhou”, escreve o ainda Presidente do Conselho de Administração e da Comissão Executiva da Caixa.
Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários