Administração da RTP admite renunciar

O Conselho de Administração da RTP afirma-se disposto a apresentar a renúncia dos cargos desde que seja assegurado “o respeito pelo bom trablho por si colegialmente e individualmente realizado” nos seus mandatos. Esta é a posição manifestada pela administração da RTP – composta por por Alberto da Ponte, Luiana Nunes e António Beato Teixeira – […]

O Conselho de Administração da RTP afirma-se disposto a apresentar a renúncia dos cargos desde que seja assegurado “o respeito pelo bom trablho por si colegialmente e individualmente realizado” nos seus mandatos.

Esta é a posição manifestada pela administração da RTP – composta por por Alberto da Ponte, Luiana Nunes e António Beato Teixeira – no seu despacho de pronúncia (defesa) sobre a proposta da sua destituição proposta pelo Conselho Geral Independente (CGI), a que a Lusa teve hoje acesso.

Os membros do Conselho de Administração (CA) “desde já declaram que não têm a menor intenção de permanecer nas suas funções contra o desejo do acionista da RTP”, acrescentando que “caso esse desejo lhes seja manifestado, e tendo em vista a salvaguarda do superior interesse da RTP, estão disponíveis para apresentar a sua renúnica aos cargos que atualmente ocupam”.

No entanto, essa renúncia só acontecerá “desde que assegurado o respeito pelo bom trabalho por si colegialmente e indivualmente realizado durante o período já decorrido dos seus mandatos, bem como o respeito pelas suas reputação e ética profissionais”, apontam ao longo de quase 90 páginas, onde acusam o CGI de ter atuado numa “pura lógica de ‘apparatchik’ [aparelho]” e de ter deixado de ter “condições mínimas” para desempenhar as suas funções.

“Os membros do CA pretendem deixar muito claro que não aceitarão ser destituídos das funções que legitimamente exercem de forma ínvia, ilegal e, sobretudo, imoral, na medida em que surge justificada em considerações que são diretamente atentatórias da dignidade do trabalho por si desempenhado em prol da RTP, bem como da sua reputação e dua ética profissionais”, acrescentam.

Os administradores da RTP dizem esperar que o Governo não se demita de fazer uma análise “de forma objetiva e imparcial”, uma vez que estão confiantes de que “a razão lhes assiste”.

Para a administração, “os fundamentos apresentados pelo CGI para a proposta de destituição” do CA “são manifestamente improcedentes no plano jurídico”, pelo que caso esta venha a ser deliberada “será ilegal”, pelo que o acionista Estado “deve abster-se de a adotar”.

“Os membros do CA declaram por fim, desde já, que não abdicam de reagir por quaisquer meios ao seu dispor contra uma eventual deliberação da AG [assembleia geral] que, no seu entender sem que se verifiquem as condições para tal legalmente exigidas, venha a determinar a sua destituição dos cargos que atualmente ocupam, tendo em vista asseguar a integral resposição do seu bom nome e da sua reputação profissionais, bem como para apuramento das responsabilidades, tanto institucionais como pessoais, a que haja lugar a qualquer título”, salientam.

Depois ter ‘chumbado’ o Projeto Estratégico apresentado pelo CA da RTP, o Conselho Geral propôs a sua destituição.

OJE/Lusa

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.