“ADSE não pode acabar e não vai acabar”, garante Marcelo

No dia em que o Conselho Geral da ADSE reúne com o ministério da Saúde, o Presidente da República apela ao bom senso e à capacidade de entendimento.

Cristina Bernardo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta terça-feira que a ADSE não pode acabar porque é importante para Portugal e para os portugueses. “Eu acho que estamos todos de acordo quanto ao facto de a ADSE não poder acabar, não vai acabar e, para não acabar, é preciso que haja naturalmente bom senso e capacidade de entendimento para que se resolva aquilo que, neste momento, surgiu como um problema”, sustentou.

O chefe de Estado falava à entrada da 20.ª edição do Correntes d´Escritas, na Póvoa de Varzim, distrito do Porto. Para Marcelo Rebelo de Sousa, há uma meta clara que assenta no facto de a ADSE ser importante para Portugal e para os portugueses e, por esse motivo, não poder acabar.

O Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE reúne-se esta terça-feira com a ministra da Saúde, Marta Temido, após o apelo deste órgão ao “diálogo urgente” entre os prestadores privados e o instituto público. O encontro, que contará também com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, foi pedido pelo CGS após a última reunião deste órgão consultivo onde têm assento representantes dos beneficiários e do Governo.

Nestes últimos dias tem vindo a público a intenção de grupos de saúde privada, entre os quais a José Mello Saúde (que gere os hospitais CUF), a Luz Saúde e os Lusíadas, suspenderem as convenções com a ADSE a partir de abril.

A ADSE exige o pagamento de 38 milhões de euros aos privados por excesso de faturação referente a 2015 e 2016, uma exigência que é contestada pelos hospitais.

A José de Mello Saúde (JMS) e a Luz Saúde, dois grupos que suspendem as convenções com a ADSE a partir de 12 e 15 de abril, já estão a disponibilizar novos tarifários aos beneficiários do sistema de saúde.

Recomendadas

“Intervenção policial quase inexistente”. IL quer esclarecimento sobre distúrbios em Guimarães

O grupo parlamentar questiona “o Senhor Ministro da Administração Interna, que foi, aliás, cabeça de lista pelo PS no círculo de Braga nas eleições legislativas de Janeiro passado, mas também da Ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, que tutela o Desporto”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira, 10 de agosto

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta quarta-feira.

Chega diz que responsabilidade por resposta aos distúrbios em Guimarães é do Governo

O Chega quer que o ministro da Administração Interna venha “a público dar os devidos esclarecimentos sobre os acontecimentos de ontem”.
Comentários