ADSE: Novas tabelas devem ser publicadas com ou sem acordo, defende João Proença

Em audição na comissão parlamentar de saúde, realizada a pedido BE e do PSD, sobre a situação atual da ADSE, João Proença reafirmou que é fundamental que as novas tabelas de preços, tanto para o regime livre como para o convencionado, sejam publicadas.

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, defendeu hoje no parlamento que as tabelas com os novos preços do subsistema de saúde da função pública devem ser publicadas, com ou sem acordo dos privados.

Em audição na comissão parlamentar de saúde, realizada a pedido BE e do PSD, sobre a situação atual da ADSE, João Proença reafirmou que é fundamental que as novas tabelas de preços, tanto para o regime livre como para o convencionado, sejam publicadas.

“Esperemos que haja uma proposta rápida, que o conselho geral seja consultado, que haja diálogo com os prestadores privados todos e que haja publicação da tabela havendo ou não acordo global”, afirmou João Proença perante os deputados.

Antes, a comissão de saúde tinha estado a ouvir a presidente do conselho diretivo da ADSE, Sofia Portela, que garantiu que a proposta com as novas tabelas será apresentada “dentro de muito pouco tempo”.

Segundo João Proença, as tabelas ainda não foram publicadas por “falta de cooperação” de alguns grandes grupos privados e, além disso, há um levantamento “demasiado demorado” que está a ser feito por parte do conselho diretivo sobre custos de próteses e medicamentos.

Sobre o alargamento da ADSE a novos beneficiários, nomeadamente aos contratos individuais de trabalho no Estado, João Proença considerou “um abuso” o facto de Sofia Portela ter anunciado hoje na mesma comissão que está a fazer um estudo adicional sobre o assunto, depois de o CGS ter já realizado um sobre a sustentabilidade do sistema.

João Proença referiu, aliás, que no geral, a relação entre o conselho diretivo e o CGS tem sido “razoável”.

“Não a classificaria como boa”, disse o presidente do CGS.

Segundo disse José Abraão, membro do CGS presente na audição parlamentar, em causa está um universo potencial de 80 mil novos beneficiários, a maioria dos quais contratos individuais do Estado.

Recomendadas

“Espiral de insatisfação e exaustão”. 416 médicos internos escusam-se de responsabilidade

Numa carta aberta dirigida à ministra da Saúde, Marta Temido, mais de 400 internos de Medicina Interna relatam indisponibilidade para serem ultrapassados os limites legais de trabalho suplementar, fixados nas 150 horas por ano.

Tabaco, álcool e excesso de peso responsáveis por metade das mortes por cancro

O mesmo estudo aponta que o número de óbitos masculinos devido a fatores de risco é o dobro dos óbitos registados entre as mulheres

Monkeypox. Autorizada nova técnica de injeção da vacina para cobrir mais pessoas

A Agência Europeia do Medicamento considera que a vacina autorizada na União Europeia contra a Monkeypox pode ser administrada também como injeção intradérmica numa dose mais baixa, permitindo assim proteger mais pessoas.
Comentários