Advogada de Rendeiro na África do Sul defende que não está interessada em “processar imprensa”

“A minha única preocupação é este momento. Vi a fotografia, parece-me falsa, mas, seja como for, a minha única estratégia e preocupação é tratar do meu caso”, disse June Marks, advogada de João Rendeiro na África do Sul.

A advogada de João Rendeiro na África do Sul, June Marks, defendeu esta manhã que não está interessada em processar a imprensa depois dos meios de comunicação terem divulgado uma imagem do ex-banqueiro após a detenção.

Em declarações à “TSF”, Marks declarou que se vai focar no caso do português. “A minha única preocupação é este momento. Vi a fotografia, parece-me falsa, mas, seja como for, a minha única estratégia e preocupação é tratar do meu caso”, disse June Marks.

A advogada sul-africana esclareceu ainda que ainda não falou com João Rendeiro sobre o procedimento da fotografia, após esta ter sido divulgada, e quais os passos a seguir. “Não estou interessada em processar a imprensa, seja a imprensa em Portugal ou na África do Sul. Não falei com ele sobre isso, não recebi instruções, mas ele está a lidar com um assunto específico. Quando receber instruções, tratarei disso”, sustentou à “TSF”.

Questionada sobre o que vai acontecer esta manhã, a advogada apontou que a audição é um “procedimento normal” e que “infelizmente não posso dar detalhes sobre o que penso”.

João Rendeiro deverá ser ouvido esta segunda-feira a partir das 11 horas locais (9 horas em Portugal). Não se sabe a hora exata em que Rendeiro será ouvido dado que ainda vão ser distribuídos todos os casos a ouvir hoje por oito juízes.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários