Advogados de países lusófonos juntam-se em plataforma digital OneLegal

O advogado Rui Amendoeira, um dos fundadores, destaca a importância de apostar nestas “jurisdições históricas e linguisticamente unidas” e realça que os membros da OneLegal estão “vocacionados para um trabalho junto de investidores internacionais”.

Advogados dos países lusófonos juntaram-se numa plataforma digital, a OneLegal, formalizando, assim, uma relação profissional já existente entre todos, para potenciar a prestação de “um serviço único e agregador” nas jurisdições onde estão presentes.

“A OneLegal é uma plataforma inovadora de serviços jurídicos que integra sociedades de advogados e advogados em nome individual, com presença há muitos anos no mercado lusófono, nomeadamente em Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde e Timor-Leste”, refere aquela entidade em comunicado.

Criada num ambiente já pós pandemia, a plataforma surge da necessidade de estes advogados “formalizarem uma relação profissional existente entre todos, potenciando a prestação de um serviço único e agregador de todas as jurisdições onde estão presentes”, adianta-se na nota.

Deste modo, a OneLegal “vem dar corpo a uma atividade conjunta, desde há muito vocacionada para prestar um serviço de alta qualidade a nível legal na advocacia empresarial, com uma visão abrangente das várias jurisdições lusófonas onde estão presentes”, e permite “responder aos desafios exigentes” dos clientes em vários setores, “em tempo real e de maneira inclusiva”, acrescenta.

O advogado Rui Amendoeira, um dos fundadores da plataforma OneLegal, citado na nota, destaca a importância de apostar nestas “jurisdições históricas e linguisticamente unidas”, e realça que os membros da plataforma estão “vocacionados para um trabalho junto de investidores internacionais”, em setores de desenvolvimento económico, como infraestruturas, banca, energia, oil&gas, imobiliário e construção, transportes, projetos, contratos comercias, societário, direito público, restruturações, insolvências e recuperação de dívidas e clientes privados.

“Conseguirmos prestar um serviço de assessoria legal, por via digital, aproxima os clientes dos advogados e facilita o fluxo de trabalho, garantindo parcerias eficazes, com marcações de reunião por meios digitais através do nosso site, ou webinars que promovem debates sobre questões importantes a estes países de língua oficial portuguesa”, refere.

Os advogados que fazem parte da OneLegal pertencem ainda a diversas associações e redes profissionais e setoriais de “importância vital para a economia dos países onde estão presentes”.

Assim, para Rui Amendoeira “uma das grandes vantagens deste projeto, e razão da sua existência, é tornar real um modelo de prestação único. A plataforma OneLegal agrega sociedades de advogados e advogados com grande experiência nas suas áreas de prática e nas várias jurisdições onde prestam assessoria, conhecendo profundamente as realidades socioeconómicas dos países onde trabalham”.

“Cada projeto de cliente é único e requer a combinação perfeita de experiência e ‘know-how’. Por isso, nossos advogados são todos independentes e, portanto, a nossa oferta não se restringe a uma marca, a um modelo, ou uma forma de atendimento ao cliente”, conclui.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Reestruturações? Quanto mais cedo se tomar decisões, maior é a probabilidade de sucesso”

“Em Portugal, há uma tendência para que os empresários não olhem para o problema no momento em que tem de ser olhado. Quanto mais cedo se tomar decisões, se fizer reestruturações (seja ela de passivo ou da atividade) maior é a probabilidade de sucesso”, considerou o advogado Nuno Gundar da Cruz no programa da JE TV.

Reestruturação de empresas: o que muda com as novas regras? Ouça o podcast “Falar Direito”

Nuno Gundar da Cruz, sócio da Morais Leitão e coordenador da equipa de reestruturação e insolvência desta sociedade de advogados, é o convidado de Mariana Bandeira, jornalista do JE, no podcast “Falar Direito”.

“Falar Direito”. “Lei das reestruturações e insolvências não deve ser vista como legislação da hora da morte”

“Temos que olhar para a legislação de reestruturações e insolvências não como legislação da hora da morte das empresas mas como legislação fundamental para qualquer país que quer ser competitivo na atração de investimento”, destacou o advogado Nuno Gundar da Cruz no programa da JE TV.
Comentários