Aeroporto de Lisboa vai ter 44 novos inspetores do SEF no Natal e Ano Novo

Estes 44 inspetores terminaram o estágio probatório e foram admitidos no SEF no âmbito de um concurso de mobilidade interna da função pública

O aeroporto de Lisboa vai contar a partir de hoje com 44 novos inspetores do SEF, reforço que se prolonga até 5 de janeiro e significa um aumento de cerca de 30% dos efetivos naquele posto de fronteira.

“O SEF vai reforçar, neste período de Natal e Ano Novo, com 44 novos inspetores o aeroporto Humberto Delgado. Isto significa um crescimento de cerca de 30% relativamente àqueles que exercem já hoje aqui funções e insere-se no âmbito de um enorme reforço de meios”, disse aos jornalistas o ministro da Administração Interna.

Estes 44 inspetores terminaram o estágio probatório e foram admitidos no SEF no âmbito de um concurso de mobilidade interna da função pública. Eduardo Cabrita manteve hoje um encontro, no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com os 44 inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras que iniciam funções naquele posto de fronteira no âmbito do reforço durante a época de Natal e de Ano Novo.

Este reforço acontece entre hoje e 05 de janeiro, período considerado de “pico de movimento do aeroporto”, mas o ministro avançou que a partir de janeiro este posto de fronteira vai contar com mais 30 inspetores com caráter permanente.

No âmbito do reforço de meios no SEF, Eduardo Cabrita sublinhou que, ao longo deste ano, entraram em funções dois grupos de 45 inspetores, o que não acontecia desde 2006, existindo ainda um terceiro concurso de mais 45 elementos que vão iniciar funções no início do próximo ano, além da abertura do concurso externo para a admissão de 100 novos inspetores, o que tal não ocorria desde 2004.

“Com este conjunto significativo de novos meios vamos iniciar uma nova fase de trabalho com a administração da ANA, tal como estabelecemos já contactos com a administração da TAP”, afirmou.

O ministro adiantou que o objetivo é ter um conhecimento antecipado dos novos fluxos de passageiros e de voos que impliquem “uma intervenção do SEF com o prazo de alguns meses de modo que a resposta no aeroporto de Lisboa também possa ser preparada e antecipada adequadamente”.

Sobre o tempo de espera para passar o controlo do SEF no aeroporto de Lisboa, o governante frisou que olhou “com muita atenção para os fluxos dos últimos dias” e constatou “com satisfação que o prazo médio de demora está nos 15 minutos”, existindo momentos pontuais em que excede os 30 minutos.

“É relativamente a esses momentos pontuais que temos que ter uma atuação mais intensa, mas sobretudo temos que preparar atempadamente o próximo ano com um reforço de meios e com um trabalho muito próximo, quer com o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, quer com a administração da ANA”, sustentou.

Relacionadas

SEF deu visto a paquistanês proibido de entrar no espaço Schengen

A descoberta surgiu na sequência de uma auditoria do Gabinete de Inspeção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Tempo de espera no aeroporto de Lisboa volta a exceder as três horas

O SEF nega qualquer aumento no tempo de espera no aeroporto, mas nota que “ao longo dos últimos três anos houve um aumento muito significativo de passageiros em todos os aeroportos com ligações internacionais e em especial no aeroporto de Lisboa”.
Recomendadas

Cenário económico não anula metas de descarbonização

O cenário de uma possível recessão, associada à já frágil conjuntura macroeconómica, não assusta o sector, que diz estar “bem mais preparado” do que em 2008. As fragilidades herdades da pandemia persistem, mas importa não perder o foco das metas estabelecidas.

PremiumMudar o sector alimentar para atingir metas de carbono zero

Mesmo que todas as emissões nocivas fossem imediatamente interrompidas, as emissões do sistema alimentar global seriam suficientes para elevar o limite de subida da temperatura global em 1,5°C graus.

Projetos de transição vão sofrer com efeitos da crise

Os processos de transição climática em curso já estão a sofrer soluços no atual cenário macroeconómico e há lições a tirar. “Tudo vai custar muito mais do que se pensava”, garante o CEO da Madoqua Renewables ao Jornal Económico.
Comentários