Aeroporto: Jerónimo de Sousa acusa PS e PSD de adiarem decisão de localização

“PS e PSD estão a tentar entender-se para um novo adiamento da construção do novo aeroporto”, afirmou Jerónimo de Sousa aos jornalistas, à margem de uma visita a uma exploração agrícola na Lourinhã, no distrito de Lisboa.

Tiago Petinga/Lusa

O secretário-geral do PCP acusou hoje PS e PSD de estarem novamente a adiar a localização e a construção do novo aeroporto de Lisboa, indo contra a expetativa do Presidente da República sobre o início das obras.

“PS e PSD estão a tentar entender-se para um novo adiamento da construção do novo aeroporto”, afirmou Jerónimo de Sousa aos jornalistas, à margem de uma visita a uma exploração agrícola na Lourinhã, no distrito de Lisboa.

Para o comunista, este “adiamento” da decisão sobre a localização da infraestrutura aeroportuária “colide” com a “ambição [do presidente da República] de, no final do seu mandato”, já se possa “assistir ao desenvolvimento das obras”, disse o secretário-geral, ironizando, “algures ou nenhures”.

Para Jerónimo de Sousa, o atual Governo “tinha dificuldade em dizer não” à localização no Campo de Tiro de Alcochete, que chegou a ser a proposta do PS, e apoiada pelo PCP, “tendo em conta os estudos, avaliações científicas e ambientais de que o melhor sítio é Alcochete”.

“Era preciso era concretizar o que estava anunciado e sustentado em pareceres científicos, técnicos e ambientais”, sublinhou.

Com o adiamento da decisão da localização para 2023, o comunista defendeu que a multinacional Vinci “continua a ganhar dinheiro”, havendo “consequências para o desenvolvimento económico não acelerando o processo”, quando o país e a TAP estão “numa situação mais difícil”.

Na sexta-feira, O PCP considerou que os recentes encontros entre o primeiro-ministro e o presidente social-democrata para decidir sobre a solução aeroportuária para Lisboa são na realidade uma convergência na submissão à multinacional Vinci, a quem foi entregue, em 2013, a concessão das infraestruturas aeroportuárias por 50 anos.

O Presidente da República saudou hoje a convergência entre Governo e PSD quanto ao método de decisão sobre a nova solução aeroportuária para a região de Lisboa, considerando que “é uma boa notícia”.

Em resposta a perguntas dos jornalistas, em San Diego, nos Estados Unidos, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que espera terminar o mandato, em março de 2026, “com a alegria de ver não só escolhida uma localização, não só começada a obra do aeroporto, como até porventura já uma solução transitória, se não a definitiva, em marcha”.

O primeiro-ministro anunciou no fim da reunião de sexta-feira com o PSD – em que também participaram o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, e o dirigente social-democrata Miguel Pinto Luz – que houve convergência quanto à metodologia a seguir e que uma futura comissão técnica irá estudar várias localizações para um novo aeroporto, além do Montijo e Alcochete, incluindo Santarém.

Por sua vez, o presidente do PSD considerou que houve por parte do Governo um “acolhimento generalizado” das preocupações do seu partido e que há condições para que, dentro de cerca de um ano, o executivo possa tomar uma decisão final sobre esta matéria.

Recomendadas

Eutanásia. PSD justifica referendo com “caminho de não retorno” em matéria de “interesse nacional”

O projeto de resolução do PSD de referendo sobre a despenalização da eutanásia, hoje revelado, defende a consulta popular por considerar que está em causa “uma questão de relevante interesse nacional” que implica “um caminho de não retorno”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Eutanásia: PSD com disciplina de voto a favor do referendo, mas serão admitidas exceções

“Temos no PSD uma posição que é uma tradição e que vamos manter viva, de relativamente à questão substantiva, haver liberdade total, e na questão política haver uma orientação que corresponde ao exercício da disciplina de voto”, afirmou o presidente do PSD, Luís Montenegro, em conferência de imprensa, depois de anunciar que a bancada irá propor um referendo sobre a despenalização da morte medicamente assistida.
Comentários