Ageas Portugal inaugura oficialmente novo edifício onde investiu 75 milhões

O Grupo aplicou neste empreendimento um investimento de cerca de 75 milhões de euros. Trata-se de um edifício de 12 pisos, que conta com o Martinhal enquanto promotor e parceiro deste projeto do arquiteto Capinha Lopes.

AGEAS Tejo

O novo edifício do Grupo Ageas Portugal – o Ageas Tejo, localizado na zona do Parque das Nações Sul – abriu formal e oficialmente as suas portas.  Em comunicado, o grupo segurador diz que “embora em funções desde março, com Colaboradores nas instalações, foi no passado dia 12 de maio que Steven Braekeveldt, CEO do Grupo em Portugal, inaugurou o edifício com a presença da Câmara Municipal de Lisboa (CML) e da Junta de Freguesia do Parque das Nações (JFPN) que teve como representantes Filipe Anacoreta Correia, vice-presidente da CML, e Carlos Ardisson, Presidente da JFPN, bem como parceiros e entidades institucionais para uma cerimónia de inauguração do moderno edifício do Grupo segurador.

O Grupo aplicou neste empreendimento um investimento de cerca de 75 milhões de euros. Trata-se de um edifício de 12 pisos, que conta com o Martinhal enquanto promotor e parceiro deste projeto do arquiteto Capinha Lopes,  e “é já uma referência não só da zona onde se encontra, como também da cidade de Lisboa, marcada pela interação com a comunidade através das suas luzes exteriores alusivas a vários temas e campanhas e através das redes sociais”.

Steven Braekeveldt, CEO do Grupo Ageas Portugal, no seu discurso disse que “o Grupo Ageas Portugal está aqui para ficar e para ter um impacto sustentável em Portugal e em todos os portugueses, numa ótica de os acompanhar em todos os momentos da vida, apoiando as suas emoções”.

Totalmente adaptado às circunstâncias de trabalho atuais e futuras, este novo edifício teve como foco a preocupação ambiental, a sustentabilidade, e a responsabilidade social, diz a dona da Ocidental e Médis.

O CEO do Grupo refere que “o edifício [Ageas Tejo] espelha os nossos valores – Care, Dare, Share e Deliver.  Trata-se de um edifício no qual as pessoas se sentem em casa, onde paira a criatividade e a inovação e onde trabalhamos para uma colaboração radical com parceiros como o Café Joyeux, a Crescer e a Semear”. Através destas parcerias foi possível ao Grupo Ageas Portugal posicionar-se como a primeira empresa em Portugal a ter duas Associações de cariz social a explorar dois dos espaços comuns do seu edifício.

“Esta casa reflete em grande medida também o que é a cidade de Lisboa”, afirma Filipe Anacoreta Correia, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Lisboa. “Lisboa é uma cidade de emoções, de luz, de cultura, de inovação e que pretende ser sustentável. E encontrarmos em Lisboa uma casa que procura ser isso tudo, faz com que nos sintamos aqui também em nossa casa. E, por isso, esta é também a cidade do Grupo Ageas Portugal”, declara.

“É com muito gosto que vejo nascer este novo edifício que já contém vários prémios no seu currículo”, comenta também Carlos Ardisson, Presidente da Junta de Freguesia do Parque da Nações. “Felicito-vos pela forma como o desenharam, como o implementaram e como pretendem envolver-se com a comunidade. Nós estamos cá também para vos receber e para sermos parceiros porque a Junta de Freguesia quer servir de agregador entre as empresas que existem aqui”, concluiu.

Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários