Agência americana de marketing digital desportivo chuta para golo na bolsa de Lisboa

A empresa apoia clubes e jogadores na sua estratégia de internacionalização, desenvolvendo as suas audiências digitais em todo o mundo. Entre os seus clientes, encontram-se o Liverpool, Manchester United, Juventus, Bayern de Munique, PSG, Orlando Magic, F1 e a Primeira Liga Portuguesa.

Mohamed Salah (100 milhões de euros)

A Samba Digital já negoceia na bolsa de Lisboa. A agência de marketing digital desportivo fundada em Miami nos Estados Unidos em 2018 estreou-se hoje na Euronext Lisboa.

A empresa está avaliada em 23,3 milhões de euros e dispersou 10% do capital social, com um milhão de ações no valor nominal de 2,33 euros a serem admitidas a negociação, segundo comunicado hoje divulgado.

A companhia “apoia clubes e jogadores da indústria do desporto e e-gaming na sua estratégia de internacionalização, desenvolvendo as suas audiências digitais em todo o mundo”, avançando que está presente em quatro continentes: América, Europa, África e Ásia.

A empresa diz que trabalha com os “maiores clubes e jogadores do futebol inglês (Liverpool,
Tottenham, …), do futebol francês (Ligue 1, PSG, OM, OL, AS
Monaco…), do futebol italiano (Serie A, Juventus, Napoli…), do futebol alemão (Bundesliga,
Eintracht, Bayern Munique…) e, desde este ano, com a Primeira Liga Portuguesa”.

Entre os seus clientes fora do futebol, encontram-se os Orlando Magic na NBA, a Ryder Cup, a Fórmula 1, o Roland-Garros, o US Open, o Rugby Mundial, a FIBA, etc.

A empresa fechou o primeiro semestre com receitas de 2,1 milhões de euros e espera fechar 2022 com receitas de 4,2 milhões de euros e um EBIT acima de 806 mil euros.

A Samba Digital diz ter a sua sede em Portugal e possui outras duas empresas: a Sports Translate e a Sport Influencers, “duas plataformas para a indústria do desporto, com mais de 300 tradutores e 5.000 influenciadores em todo o mundo. A Sports Translate fornece tradução e adaptação de conteúdos em 50 línguas e dialetos, oferecendo também serviços de legendagem e dobragem de vídeos”.

A partir de janeiro de 2023, a Samba Digital diz planear lançar uma plataforma única que vai reunir “todos os serviços digitais que a empresa pode oferecer a um clube/marca, para lhe permitir crescer internacionalmente, qualquer seja a sua dimensão e orçamento”.

A empresa diz que é a “primeira de marketing desportivo do mundo a oferecer um serviço deste tipo através da sua aplicação, reforçando assim a originalidade do seu modelo de negócio: 100% variável, sem qualquer dívida bancária, com um fluxo de caixa confortável permitindo-lhe autofinanciar os seus investimentos”.

“Foi com muita satisfação que entrámos no mercado de capitais através da Euronext Lisbon. A Samba Digital é uma empresa tecnológica inovadora, que nasceu com a ambição de ser a solução global preferida para a internacionalização do desporto e das marcas Igaming. Temos vindo a crescer rapidamente e vemos a cotação na Euronext Lisbon, que nos dá acesso ao mercado europeu, como uma oportunidade para acelerar a realização deste objetivo. Portugal é para nós a escolha mais lógica, uma vez que a língua portuguesa é a que mais oferecemos graças à nossa forte presença no Brasil, que é o nosso primeiro mercado. A cotação na bolsa é mais um passo neste caminho de afirmação e sucesso comercial que estamos a dar”, disse em comunicado Frédéric Fausser, presidente executivo da empresa.

Recomendadas

PSI encerra sessão em alta ligeira em contraste com generalidade dos mercados europeus

O banco liderado por Miguel Maya cessou o dia com ganhos de 1,23% para 0,1479 euros, seguido da NOS, com 1,21% para 3,83 euros. A Semapa terminou o dia a subir 1,90% para 13,98 euros.

Wall Street arranca semana em baixa

Assim, na abertura de Wall Street, o Dow Jones perde 0,62% para 34.217,92 pontos, o S&P 500 cede 0,69% para 34.217,92 pontos e o tecnológico Nasdaq recua 0,54% para 11.399,31 pontos. 

PSI cresce 2,5% em novembro e reforça valorização anual para 5,3%

O ranking mensal de aumento das cotações corresponde à Galp (14,7%), à Semapa (11,3%), ao BCP (5,7%), à EDP Renováveis (3,5%), à Greenvolt (3,2%), à EDP (2,1%), aos CTT (1,8%), à Mota-Engil (1,5%), à Jerónimo Martins (1%) e à Navigator (0,2%). 
Comentários