Agência de Energia e Irão retomam contacto em Viena

O diretor da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, reuniu-se com o chefe do programa nuclear iraniano, Mohammad Eslami, para retomar os contactos e esclarecimentos.

O diretor da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, reuniu-se esta terça-feira em Viena com o chefe do programa nuclear iraniano, Mohammad Eslami, para retomar os contactos destinados a esclarecer possíveis atividades nucleares não declaradas por Teerão.

“O diálogo foi retomado com o Irão para esclarecer as questões sobre garantias pendentes”, assinalou o diretor da AIEA em mensagem no Twitter.

Grossi inclui diversas fotos da sua reunião com Eslami, que lidera a Agência de Energia Atómica do Irão (AEAI). Ao esclarecer as “questões pendentes”, o diplomata argentino referiu-se aos restos de urânio artificial detetados em três instalações que o Irão nunca declarou como parte do seu programa nuclear, e que podem sugerir atividades secretas.

A AIEA insiste desde 2018 com o Irão para que esclareça de forma convincente sobre a origem destes restos de material radioativo.

No decurso da sua intervenção na segunda-feira perante a Conferência Geral da AIEA, que decorre até sexta-feira em Viena, Eslami acusou Israel de ser o responsável pelo aparecimento destes vestígios radioativos e insistiu que todas as dúvidas sobre possíveis atividades ocultas do Irão foram esclarecidas em 2015.

“Não existem materiais ou atividades não declaradas no Irão. Todas as acusações se baseiam em informações falsas e inventadas, fomentadas pelo regime israelita”, afirmou Eslami.

As dúvidas em torno de eventuais atividades nucleares secretas do Irão são um dos temas que bloqueiam a reativação do acordo nuclear de 2015, no qual Teerão se comprometeu a reduzir o seu programa nuclear em troca de um progressivo levantamento de sanções.

O acordo entrou em colapso em 2018, quando o então Presidente Donald Trump ordenou a retirada dos EUA desse projeto e aumentou a pressão sobre o Irão.

Em 2019, o Irão deixou de cumprir os limites impostos ao seu programa nuclear e acelerou a produção de urânio enriquecido, estando próximo de poder garantir, segundo observadores, a arma nuclear.

Recomendadas

União Europeia volta a discutir entrada dos Balcãs

A região está sob fogo: os desentendimentos entre Sérvia e Kosovo, a crise institucional no Montenegro ou as grandes dificuldades vividas na Bósnia-Herzegovina. Poucos acreditam que a União possa dar resposta a tudo.

Tunísia: eleições a 17 de dezembro deixam o país indiferente

As primeiras eleições legislativas sob a nova Constituição tunisina colocam sérias dúvidas sobre o seu caráter democrático. A comunidade internacional está na expectativa e internamente o desinteresse parece ser geral.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários