Agência do medicamento dos EUA nega pressões para aprovar vacina

A FDA emitiu na sexta-feira uma autorização de emergência para a vacina Pfizer/BioNTech e lançou uma gigantesca operação logística para a distribuir por todo o território norte-americano.

A agência norte-americana do medicamento, FDA, negou hoje qualquer “pressão” política para aprovar rapidamente a primeira vacina contra a covid-19 e relativizou os riscos da toma por pessoas com “alergias graves”.

“Trabalhámos rapidamente devido à urgência que esta pandemia representa, não devido a qualquer pressão externa”, disse o diretor da Food and Drug Admnistration (FDA), Stephen Hahn, numa videoconferência de imprensa.

A FDA emitiu na sexta-feira uma autorização de emergência para a vacina Pfizer/BioNTech e lançou uma gigantesca operação logística para a distribuir por todo o território norte-americano.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que a vacina “passou o padrão de excelência de segurança” e prometeu que a primeira vacina será administrada hoje.

Horas antes do anúncio da autorização, o chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, disse ao diretor da FDA que podia ser despedido se a autorização não ocorresse até ao final do dia, segundo relatou um responsável ao jornal Washington Post e à agência Associated Press, na condição de não ser identificado.

Na videoconferência de imprensa de hoje, Stephen Hahn assegurou que a rapidez da autorização não põe em causa a seriedade das verificações, sublinhando que os testes clínicos prosseguem e são realizados com “importantes controlos de segurança”.

Na mesma conferência, um outro responsável da FDA, Peter Marks, relativizou a contra-indicação da toma da vacina por pessoas com alergias graves, depois da deteção de dois casos no Reino Unido esta semana.

“Quero tranquilizar a opinião pública”, disse. Essas reações “não foram constatadas nos dados dos vastos testes clínicos” e a FDA vai “continuar a seguir de muito perto” todos os dados.

Peter Marks frisou que a vacina só será desaconselhada a pessoas que já tenham tido “reações alérgicas graves” a componentes desta vacina ou de vacinas semelhantes, e não a todo o universo de pessoas com alergias graves.

“Cerca de 1,6% da população já teve uma reação alérgica grave causada por alimentos ou condições ambientais. Não queremos que tantas pessoas sejam privadas de uma vacina”, afirmou.

 

Recomendadas

Isolamento deixa de ser obrigatório para infetados com Covid-19

O Ministério da Saúde também aponta que os testes a covid-19 deixam de ser prescritos via SNS 24

Covid-19: Mortalidade e internamentos estáveis, infeções com tendência crescente

A mortalidade e as hospitalizações por covid-19 continuam em níveis estáveis em Portugal, mas o país regista uma tendência crescente de novos casos de infeção, indica o relatório sobre a evolução da pandemia hoje divulgado.

Portugal registou 19.703 mil casos e 41 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções e mais quatro óbitos em comparação à semana anterior.
Comentários