Agência Espacial Europeia testa a identificação de plástico nos oceanos por satélites

Neste projecto participa uma equipa portuguesa, do Instituto das Telecomunicações.

O problema da poluição dos oceanos vai ser um dos alvos da ESA para os próximos anos. A Agência Espacial Europeia testou um modelo de identificação de plásticos nos mares com recurso a satélites.

Estes testes aconteceram nos Países Baixos, no Instituto de investigação Deltares. Os cientistas usaram um «modelo à escala real do Oceano Atlântico para testar se as tecnologias espaciais seriam capazes de o detectar a partir da órbita».

Para recolher dados e comprovar se os satélites conseguem ser usados para detectar plástico a flutuar, quer em águas calmas, quer com ondulação, equipas de Espanha, Escócia, Alemanha Portugal, Canadá e dos próprios Países Baixos, estiveram a fazer medições remotas.

Em Portugal, a análise foi feita pelo Instituto das Telecomunicações que, em conjunto com a equipa escocesa, usou «sensores remotos por radar». Já em Espanha, por exemplo, foi usada «reflectometria GNSS [Global Navigation Satellite System]», uma tecnologia que usa sinais «reflectidos de satélites de navegação».

Neste momento, as equipas de cientistas estão a «processar os dados» da experiência, com os primeiros resultados a revelarem-se «promissores», disse Peter de Maagt, investigador da ESA que está a supervisionar este projecto.

PCGuia
Recomendadas

I&D. Europa pode captar entre 2 a 4 biliões de euros por ano até 2040 se inverter tendência atual

Neste momento, as empresas europeias estão a apresentar um crescimento económico mais lento, a gerar rendimentos mais baixos, e a investir menos em Inovação e Desenvolvimento (I&D) do que as suas homólogas americanas, em grande parte porque estão tecnologicamente atrasadas, refere o estudo do McKinsey Global Institute (MGI).

“Há interessados em criar Zonas Livres Tecnológicas para criptomoedas”, diz secretário de Estado da Digitalização

Mário Campolargo, em entrevista ao Jornal Económico, explica os objetivos do Governo em renovar a Estratégia de Blockchain e Web3 e garante que há interesse por parte de vários ‘players’ em testar moedas virtuais nos espaços livres de constrangimentos regulatórios.

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 
Comentários