Agência Fitch Ratings baixa para 2,8% previsão de crescimento da China em 2022

A análise da Fitch “reflete um declínio maior do que o previsto no [crescimento] do PIB [Produto Interno Bruto] da China” em 2022, face a uma contração “mais acentuada e longa” no mercado imobiliário e à “deterioração das perspetivas globais”, lê-se no relatório Perspetivas Económicas Globais, publicado na quinta-feira pela agência.

1 – China

A agência de notação financeira Fitch Ratings reduziu a estimativa de crescimento do PIB da China para 2,8%, em 2022, face ao impacto das medidas de prevenção contra a covid-19 e à debilidade do sector imobiliário.

A análise da Fitch “reflete um declínio maior do que o previsto no [crescimento] do PIB [Produto Interno Bruto] da China” em 2022, face a uma contração “mais acentuada e longa” no mercado imobiliário e à “deterioração das perspetivas globais”, lê-se no relatório Perspetivas Económicas Globais, publicado na quinta-feira pela agência.

O valor fica muito abaixo da meta oficial delineada por Pequim, de “cerca de 5%”, e 0,9% abaixo da última previsão feita pela agência.

No segundo trimestre do ano, a economia chinesa contraiu 2,6%, face ao trimestre anterior, e alcançou um aumento homologo de 0,5%.

Entre março e junho, o isolamento de Xangai, a “capital” financeira do país, e de importantes cidades industriais como Changchun e Cantão, tiveram forte impacto nos setores serviços, manufatureiro e logístico do país.

A atividade económica recuperou em junho, depois do desconfinamento de Xangai, mas o impulso caiu acentuadamente em julho, com as vendas no comércio a retalho, o investimento em ativos fixos e a produção industrial a exibirem desacelerações acima do esperado, observou a agência.

“Tivemos uma tempestade perfeita para a economia global nos últimos meses, com a crise do gás na Europa, uma forte aceleração nos aumentos das taxas de juros e uma queda cada vez maior no mercado imobiliário na China”, descreveu Brian Coulton, economista-chefe da Fitch Ratings.

O setor imobiliário do país asiático está a registar uma contração mais longa do que o previsto, segundo a agência. No conjunto dos primeiros sete meses do ano, as vendas caíram 27%, em termos homólogos. A construção de habitações novas caiu 37%.

O investimento em imobiliário representa cerca de 14% do PIB chinês.

No ano passado, os reguladores chineses passaram a exigir às construtoras um teto de 70% na relação entre passivo e ativos e um limite de 100% da dívida líquida sobre o património, suscitando uma crise de liquidez no setor, que foi agravada pelas medidas de combate à covid-19.

A falta de liquidez entre as construtoras levou a atrasos ou paragens na construção de apartamentos vendidos antes da sua conclusão. Milhares de compradores estão a recusar a continuar a pagar a prestação do imóvel.

“Estes são de longe os piores números desde que o mercado imobiliário privado foi estabelecido na China e não estão a mostrar sinais de recuperação”, lê-se na nota da Fitch Ratings.

A agência reviu também a previsão de crescimento da China em 2023, para 4,5%, menos 0,8% do que na análise anterior.

Recomendadas

Ucrânia. EUA anunciam novo pacote de 627,3 milhões de euros em ajuda militar a Kiev

O presidente norte-americano, Joe Biden, informou hoje o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, da concessão de um novo pacote de ajuda militar de 625 milhões de dólares (627,3 milhões de euros).

Governo acompanha caso de portuguesa encontrada morta em França

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português anunciou hoje que os consulados gerais de Estrasburgo e do Luxemburgo estão a acompanhar “com especial atenção” o caso de uma portuguesa encontrada morta em França.

Japão, EUA e NATO condenam disparo de míssil norte-coreano

Estados Unidos, Japão e NATO condenaram hoje o disparo pela Coreia do Norte de um míssil balístico sobre o Japão, comprometendo-se a coordenar uma resposta multilateral à provocação do regime do presidente Kim Jong-un.
Comentários