Agência Internacional de Energia Atómica seria capaz de monitorizar os processos em qualquer país aderente

A garantia foi deixada pelo diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, que, no entanto, não tem as maiores expetativas no que diz respeito à transição para a energia nuclear no futuro, segundo referiu em entrevista à “Reuters”.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) seria capaz de monitorizar o processo de produção de energia em centrais nucleares, caso mais países optassem por aderir àquela tecnologia. Ainda assim, a reciclagem de resíduos nucleares continua a arrecadar problemáticas ao nível dos custos e da segurança.

De acordo com a “Reuters”, a garantia foi deixada em entrevista pelo diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, que, no entanto, não tem as maiores expetativas no que diz respeito à transição para a energia nuclear no futuro. “Não vejo muitos [países] a olharem seriamente” para a produção de energia em centrais nucleares, refere.

“Ninguém vai fazer o reprocessamento [nuclear] sem que a IAEA estar envolvida”, disse, de forma a deixar garantias de que tudo poderá ser feito em segurança.

Grossi fez uma ressalva para a Coreia do Norte, cujos resíduos nucleares produzidos são uma exceção a este procedimento.

Rafael Grossi está presente na COP27, a cimeira sobre o clima que decorre no Egito até ao dia 18 de novembro.

Recomendadas

PremiumNuno Ribeiro da Silva sai de CEO e fica como advisor da Endesa

O gestor vai sair na primeira metade de 2023 por ter atingido o limite de idade e está envolvido na escolha do sucessor.

Consórcio da EDP e Reganosa arrecada 24 milhões de euros para projeto de hidrogénio verde na Galiza

A região espanhola anunciou que irá atribuir 32 milhões de euros de fundos comunitários a projetos de hidrogénio verde. Deste montante, a maior parte vai para o consórcio entre a energética portuguesa e a galega. A Reganosa e a EDP estimam um investimento necessário de 156 milhões de euros.

Conselho de Ministros moçambicano aprova criação de fundo soberano

O Conselho de Ministros moçambicano aprovou hoje a criação do fundo soberano do país, cuja capitalização deverá arrancar com as receitas deste ano da plataforma Coral Sul, que começou a exportar gás do Rovuma há duas semanas.
Comentários