Agências de viagens recuperam de período negro

O volume de negócios agregado dos operadores turísticos e agências de viagens portuguesas registou um ligeiro crescimento em 2014, num contexto de recuperação moderada da economia e do consumo privado, após vários anos de tendência decrescente, reflexo da redução das despesas de viagens realizadas pelas famílias, empresas e organismos públicos. AS conclusões são do estudo […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O volume de negócios agregado dos operadores turísticos e agências de viagens portuguesas registou um ligeiro crescimento em 2014, num contexto de recuperação moderada da economia e do consumo privado, após vários anos de tendência decrescente, reflexo da redução das despesas de viagens realizadas pelas famílias, empresas e organismos públicos. AS conclusões são do estudo setores “Operadores turísticos e Agências de Viagens”, publicado pela Informa D&B.

No contexto de recuperação moderada, as receitas dos operadores turísticos em 2014 cresceram 1,4%, face à descida de 4,6% de 2013, situando-se em 295 milhões de euros. Ainda assim, este valor contrasta com o recorde de 465 milhões de euros registados em 2007. Neste mesmo período a variação média anual foi de -6,3%.

A evolução do mercado retalhista foi semelhante. O volume de negócios das agências de viagens alcançou os 1475 milhões de euros em 2014, valor que representou uma subida de 1% face ao ano anterior em que tinha registado uma quebra de 3,3%. A variação média anual entre 2007 e 2014 foi de -4,6%.

A curto e médio prazo estima-se uma consolidação da tendência de recuperação do mercado dos operadores turísticos e agências de viagens iniciada em 2014, num cenário de retoma da atividade económica e melhoria progressiva da procura turística.

Assim, estima-se que o volume de negócios dos operadores turísticos feche 2015 com um aumento situado entre 2% e 3%, o que teria como resultado 302 milhões de euros. Pelo seu lado, o valor das vendas das agências de viagens apresentará um aumento de cerca de 2%, para os 1505 milhões de euros.

Segundo o estudo, a entrada de novos concorrentes e a tendência de deslocação da procura dos canais tradicionais para os canais virtuais são outras das tendências relevantes no setor de operadores turísticos e agências de viagens.

Neste cenário, prevê-se que continue o processo de redimensionamento do setor, a cessação de atividade de pequenas empresas, o reajuste da dimensão das grandes redes de agências, e as operações de compra e fusão entre empresas.

Os cinco maiores grossistas representavam em 2014 mais de 60% do volume de negócios total, enquanto a quota conjunta dos cinco principais operadores no mercado retalhista se situou em 39%, refere ainda o estudo da Informa D&B.

 

Dados gerais, 2014

Mercado (milhões de euros)
·      Grossista 295
·      Retalhista 1475
Quota de mercado das cinco empresas principais (%)
·      Grossista 60,4
·      Retalhista 39,2
Mercado em valor (% var. 2014/2013)
·      Grossista +1,4
·      Retalhista +1,0
Previsão de evolução do mercado em valor (% var. 2015/2014)
·      Grossista +2,4
·      Retalhista +2,0

 

Fonte: Informa D&B – Estudo Sectores Portugal DBK “Operadores Turísticos e Agências de Viagens”

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Compras online crescem mais de 36% em 2021 e atingem os 10 mil milhões de euros

As compras online de bens e serviços no ano passado valeram 10 mil milhões de euros, um crescimento de mais de 36% face a 2020. Os resultados do ‘CTT e-Commerce Report’ notam que cerca de cinco milhões de portugueses realizaram compras online em 2021.

PIB em volume aumentou 4,9% face a 2021 e 0,4% em cadeia no terceiro trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB), em termos reais, registou uma variação homóloga de 4,9% no terceiro trimestre deste ano. No trimestre anterior, essa variação foi de 7,4%.