Agenda do investidor para 16 de dezembro

O Instituto Nacional de Estatística divulga as contas regionais referentes a 2015, além das estatísticas do emprego respeitantes ao segundo trimestre deste ano. O Eurostat anuncia os indicadores do comércio internacional de mercadorias de outubro e os números de inflação IHPC –  Índice Harmonizado de Preços no Consumidor relativos a novembro de 2016. O Eurostat […]

O Instituto Nacional de Estatística divulga as contas regionais referentes a 2015, além das estatísticas do emprego respeitantes ao segundo trimestre deste ano.

O Eurostat anuncia os indicadores do comércio internacional de mercadorias de outubro e os números de inflação IHPC –  Índice Harmonizado de Preços no Consumidor relativos a novembro de 2016.

O Eurostat apresenta, às 10h00, o Índice de Preços no Consumidor (IPC) anual e o IPC subjacente anuais. À mesma hora, é ainda publicada a Balança Comercial, com uma previsão de 22,5 mil milhões.

Nos EUA, são divulgadas as licenças de construção, ou seja, o número de autorizações para projetos de construção recentes emitidas pelo governo.

 

 

 

Recomendadas

OCDE. Escassez de energia pode levar a recessão na Europa e aumentar inflação em 1,5 pontos percentuais

Uma escassez de energia mais grave, especialmente de gás, poderia aumentar a inflação da zona euro em 1,5 pp (pontos percentuais) e reduzir o crescimento na Europa em mais de 1,2 pp, levando a uma recessão, alerta a OCDE.

OCDE mais pessimista para 2023 vê economia da zona euro crescer 0,3% e inflação de 6,2%

Nas previsões económicas intercalares divulgadas hoje, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) revela-se mais otimista sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro deste ano, melhorando a estimativa em 0,5 pontos percentuais (pp.) face a junho, para 3,1%, mas cortou em 1,3 pp. a de 2023 para 0,3%.

OCDE mantém crescimento global deste ano de 3% mas corta o de 2023 para 2,2%

A OCDE manteve as perspetivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial deste ano em 3%, prevendo que as economias do G20 cresçam 2,8% (menos 0,1 ponto percentual (pp.) do que em junho).
Comentários