Agendamento é o principal motivo de reclamação dos portugueses relacionada com pandemia

A análise do Portal da Queixa adianta ainda que as reclamações relacionadas com a pandemia verificaram um crescimento de 145% quando em comparação com o período homólogo.

O processo de agendamento tem gerado algumas reclamações entre os portugueses. Entre a administração de doses regulares, terceiras doses e o início do processo de vacinação das crianças entre os cinco e os onze anos, o Portal da Queixa verificou que o agendamento e o processo de vacinação gerou mais de 60% das queixas.

A análise do Portal da Queixa adianta ainda que as reclamações relacionadas com a pandemia verificaram um crescimento de 145% quando em comparação com o período homólogo, sendo a maioria relacionada com problemas de agendamento e o processo de vacinação.

O agendamento e processo de vacinação representa 63% dos principais motivos de reclamações, seguindo-se a dificuldade com testes e exames com 25% das queixas. Os problemas relacionados com o certificado digital, como a dificuldade de acesso e erro na obtenção, apresentaram 12% das queixas, enquanto os constrangimentos associados ao isolamento profilático somaram 5% das queixas registadas pelos utentes portugueses.

Entre os dias 1 de janeiro e 19 de dezembro do presente ano, o portal recebeu um total de 5.869 queixas dirigidas ao sector da saúde. Este valor representa um decréscimo de 4% em comparação com o mesmo período de 2020, onde foram registadas 6.103 queixas.

Relacionadas com a Covid-19 estão 8% do total de reclamações deste ano, um aumento face a 2020, já que estas representaram apenas 3% das mais de seis mil reclamações apresentadas pelos utentes.

Recomendadas

Primeiro-ministro espanhol testou positivo à Covid-19

Sánchez não disse se estava a sentir-se doente ou se iria cancelar outros compromissos na próxima semana.

Portugal registou 18.315 mil casos e 37 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções em comparação à semana anterior.

Covid-19: EMA preocupada com hesitação a vacinas e aponta Portugal como exemplo

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla inglesa) manifestou-se hoje “muito preocupada” com a elevada taxa de hesitação no reforço da vacina da covid-19 e deu o arranque da campanha em Portugal como bom exemplo.
Comentários