Agricultura algarvia pode enfrentar situação “complicada” no verão devido à seca

O diretor regional de Agricultura, Pedro Valadas Monteiro, disse, este domingo, que a chuva que caiu na região em março e abril “melhorou o panorama”, mas “não resolveu o problema” da falta de água.

A agricultura no Algarve pode enfrentar uma situação “complicada” no verão e poderão ter de ser adotadas medidas de contingência mais duras para manter as culturas, admitiu este domingo, 24 de abril, à Lusa o diretor regional de Agricultura.

“Podemos vir a enfrentar uma situação complicada, porque nos meses de verão é quando as principais atividades económicas do Algarve, a agricultura e o turismo, também têm os seus maiores consumos”, referiu Pedro Valadas Monteiro.

Segundo aquele responsável, a chuva que caiu na região em março e abril “melhorou o panorama”, mas “não resolveu o problema” da falta de água no Algarve, pois apesar de já não haver nenhuma parcela da região em seca extrema, a seca persiste.

“Continuamos em seca e começa a aproximar-se o período crítico em termos de consumo de água que coincide, também, com o período em que já não vai cair precipitação”, notou, sublinhando que os agricultores estão a tentar poupar o máximo de água possível.

Segundo o diretor regional de Agricultura, apesar de março ter sido um mês muito chuvoso, isso não resolveu o problema da seca porque as reservas hídricas “estavam muito baixas”, quer ao nível das barragens, quer da água existente no solo.

“A situação dramática que [os agricultores] vivem hoje em dia é quando chegar o momento em que as exigências hídricas da cultura aumentam e o fornecimento artificial de água tiver de ser feito, através da rega. Não havendo disponibilidade de água, como é que se vai fazer a rega dessas mesmas culturas?”, antecipou.

Segundo Pedro Valadas Monteiro, os agricultores que não tinham as suas culturas instaladas no terreno “não o fizeram, como medida cautelar”, mas a situação é preocupante para aqueles que já têm culturas instaladas, como pomares de laranjeiras ou vinhas.

“Teremos que equacionar, que é o que está agora a ser pensado, medidas alternativas, nomeadamente, reforçar a disponibilidade da pouca água existente nas barragens com outras aduções, como é o caso dos furos que estão a ser reabilitados”, precisou.

No entanto, eventualmente, terão de ser adotadas “medidas de contingência mais duras do ponto de vista da gestão”, ou seja, não regar todos os dias e começar a fazer aquilo que os agrónomos designam por “regas de sobrevivência”, avisou.

As regas de sobrevivência são aplicadas quando a quantidade de água fornecida não é suficiente para garantir a produção normal, mas sim para garantir que as árvores não morrem, explicou aquele responsável.

Portugal continental continuava em 15 de abril em situação de seca, com 81,9% do território em seca moderada e 17,9% em seca severa, segundo dados divulgados na quinta-feira pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o IPMA, a quantidade média de chuva até 15 de abril foi inferior ao valor normal mensal para o período de referência, entre 1971 e 2000, correspondendo a 38%.

O boletim refere que o período de outubro de 2021 a 15 de abril de 2022 foi o terceiro mais seco desde 1931 (depois de 2004/05 e 1998/99).

A percentagem de água no solo diminuiu em quase todo o território continental, com as regiões mais interiores, como Trás-os-Montes e Beira Alta, com valores inferiores a 20%.

Recomendadas

Ministra não prevê falta de alimentos provocada pela seca ou pela guerra

“Criámos, com toda a cadeia alimentar, desde a produção até ao retalho, grupos de acompanhamento para que não haja quebra”, apontou a ministra da Agricultura e Alimentação, Maria do Céu Antunes.

Confederação do sector agrícola alerta ministra para os altos custos do gasóleo para a agricultura

“A questão da energia e em especial os custos do gasóleo para a agricultura, constituíram a parte fulcral da reunião tendo a Ministra informado a Confederação que estão em preparação novas medidas estruturais para os combustíveis”, refere a CONFAGRI.

Produção de cereais no distrito de Beja muito afetada pela seca em “ano mau”

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches (CABB), Fernando Rosário, reconheceu que este “foi um ano mau” para os cereais na área de influência da entidade, que abrange sobretudo os municípios alentejanos de Beja e Serpa.
Comentários