AHRESP apela ao Governo que promova redução do endividamento das empresas

Um dos pedidos da AHRESP ao Governo passa por disponibilizar “20% de todo o financiamento concedido no âmbito das linhas de crédito Covid-19” em “fundo perdido”. 

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) pediu ao Governo que motivasse a redução do endividamento das empresas. Em comunicado, a AHRESP “apela ao Governo que 20% de todo o financiamento concedido no âmbito das linhas de crédito Covid-19 seja convertido em fundo perdido”.

“Complementarmente, o programa Reforçar deve ser regulamentado com a máxima brevidade possível, para que esteja totalmente operacional quando terminarem os períodos de carência das linhas Covid-19”, pede a associação esta sexta-feira em comunicado.

A AHRESP justifica a necessidade dos apoios com “os níveis de faturação” que ainda estão “distantes dos valores pré-pandemia”, bem como de “um novo conjunto de restrições e limitações que impactam diretamente a atividade do setor do alojamento, restauração e similares”.

De recordar que para aceder a estabelecimentos como restaurantes é necessária a apresentação de certificado de vacinação, de recuperação ou teste à Covid-19.

No comunicado. a associação que representa Hotelaria, Restauração e Similares também destaca que “a partir do próximo ano, é esperado um agravamento das obrigações financeiras das empresas, que terão de iniciar os reembolsos dos financiamentos que foram sendo contraídos ao abrigo das várias linhas de apoio à economia Covid-19”.

Relacionadas

AHRESP alerta para perdas de 35 mil milhões de euros e 900 mil empregos caso a Europa regresse ao confinamento

Para evitar as perdas previstas, as entidades consideram que os estados-membros da União Europeia “devem alinhar numa resposta comum à situação pandémica”, para evitar impor limites à liberdade de movimentos.

AHRESP: novas restrições têm de “ter em conta” impacto na economia

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) alertou esta segunda-feira que qualquer decisão a tomar pelo Governo para conter a nova vaga da pandemia deve ser “devidamente ponderada” e “ter em conta” o impacto na economia.
Recomendadas

Investimento na floresta com evolução positiva mas insuficiente

O investimento na floresta teve em 2021 uma evolução “ligeiramente positiva” mas insuficiente para alcançar as metas definidas para o setor, indica um barómetro divulgado pelas associações Zero e Centro Pinus.

‘Metrobus’ do Porto: obras arrancam durante a semana

O projeto do ‘metrobus’ do Porto, entre a Rotunda da Boavista e a Praça do Império, vai ser apresentado na segunda-feira, devendo as obras começar ainda durante a próxima semana.

Stanton Chase Portugal reforça com novo diretor executivo

José Bancaleiro, sócio fundador, que desempenhava a função agora ocupada por Nuno Moreira, mantém-se na empresa de executive search como partner e presidente.
Comentários