AHRESP: “As empresas neste momento estão abandonadas, a sufocar cada vez mais”

A secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal alertou esta quarta-feira que ainda tem “associadas que não receberam o incentivo extraordinário à normalização da atividade” nem o Apoiar Rendas, anunciado no final de 2020.

Cristina Bernardo

A secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) alertou esta quarta-feira que as empresas ainda se debatem com constrangimentos do passado e com problema oriundos da pandemia, que ainda não estão resolvidos apesar de os apoios estatais terem sido “muito importantes”.

“As empresas neste momento estão abandonadas, a sufocar cada vez mais. Não as podemos deixar sozinhas”, referiu Ana Jacinto, na conferência “Orçamento do Estado 2022”, organizada esta manhã pelo Jornal Económico (JE) e pela consultora EY.

Em resposta a Jamila Madeira, vice-presidente da bancada parlamentar do PS, Ana Jacinto disse que os auxílios do Governo “foram importantes”, como o lay-off simplificado, mas ainda há organizações que continuam sem receber o dinheiro. “Ainda hoje tenho empresas associadas da AHRESP que não receberam o incentivo extraordinário à normalização da atividade e não conseguem falar com ninguém sobre os processos nem em relação ao Apoiar Rendas, anunciado em dezembro de 2020”, exemplificou.

O presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP) trouxe à discussão o Banco Português de Fomento (BPF), que nasceu em novembro de 2020 da fusão da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) e da PME Investimento na SPGM. “Ainda hoje estamos à espera de que o Banco de Fomento cumpra o seu papel”, sublinhou no painel “Este é o OE de que o país precisa?”, o último deste evento que se realizou no Pestana Palace, em Lisboa.

“O maior apoio social que se pode dar às pessoas é um emprego digno com um salário justo. Só se pode apoiar as famílias se se apoiar as empresas”, concluiu, na sessão moderada por Nuno Vinha, subdiretor do JE.

Relacionadas

Empresas criticam OE2022: “Decalcado” e com “medidas insuficientes”

Associação Empresarial de Portugal e a AHRESP alertam para a mudança de contexto económico global desde outubro. Luís Marques, da EY, mencionou ainda o “impacto positivo” que teria a redução do IVA na restauração e hotelaria e disse que o “IRC se tornou um imposto progressivo”.

IRC. “Portugal tem das taxas de tributação mais elevadas da União Europeia”, diz EY

“Há margem para termos uma visibilidade diferente sobre a tributação futura, o que não foi feito neste Orçamento de Estado”, disse esta quarta-feira António Neves, partner da EY na área de Tax Services, que acrescenta que “numa altura em que o plano da OCDE fala de uma taxa mínima global de 15%, uma empresa em Portugal pode ultrapassar os 30%”.

Portugueses “continuam a pagar mais 10% de IRS” do que no pré-troika

Nuno Alves, fiscalista da EY, considera o desdobramento dos escalões do IRS positivo, mas atira que os portugueses continuam a pagar mais impostos sobre os seus rendimentos do que antes da troika.
Recomendadas

PremiumLiteracia, talento e cliente são principais desafios

“Corremos o risco de ter um sector que está a envelhecer muito rapidamente”, disse Pedro Rego, CEO da F. Rego, referindo-se ao desafio da captação e retenção de talento.
CEO das seguradoras Fidelidade, Tranquilidade, Ageas e Liberty

PremiumSeguradoras estão preparadas para impacto da crise

As companhias de seguros são as maiores gestoras de ativos do mundo, por isso os líderes da Fidelidade, Ageas, Tranquilidade e Liberty Europa estão mais preocupados com a forma como os investimentos serão feitos com o PRR do que com o impacto da crise nas companhias.

OE2022. “Política excessivamente contracionista não é desejável”, diz presidente do Instituto de Políticas Públicas

A conferência ‘O Orçamento do Estado para 2022’, da qual o Jornal Económico foi media partner, decorreu esta manhã na Culturgest.
Comentários