AHRESP pede que certificado seja suficiente para aceder a estabelecimentos no Natal e Ano Novo

A associação que representa hotelaria e restauração justifica o pedido com a escassez de testes.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) pediu ao Governo que o certificado de vacinação fosse suficiente para entrada em estabelecimentos, como hotéis, na época do Natal e Ano Novo.

O pedido da AHRESP surge depois de na terça-feira o executivo de António Costa ter definido que passa a ser obrigatório um teste negativo à Covid-19 no acesso a hotéis e estabelecimentos de alojamento a partir do dia 25 de dezembro.

“Sendo manifesta esta falta de resposta por parte do Estado ao nível dos testes e da testagem, a AHRESP apela ao Governo para que neste período seja suficiente exibir o Certificado Digital COVID da UE, para aceder a estes espaços”, sublinha a associação em comunicado.

De acordo com a associação que representa Hotelaria e Restauração a falta de testes aliada “à dificuldade com que as pessoas se têm deparado quando pretendem realizar os testes à COVID-19, nomeadamente os insuficientes postos e as extensas filas que se têm verificado quer nos postos de testagem, quer nas farmácias, constituem um forte desincentivo à testagem e vão levar ao afastamento dos clientes dos espaços onde os testes serão obrigatórios”.

A escassez de testes tem representado um problema para diversos estabelecimentos e também abrangeu discotecas, que agora vão ter de fechar portas por escolha do Governo.

“O grande problema está nas pequenas cidades e mesmo noutras localidades como em Coimbra, Viseu, o Algarve que não aguentaram a situação de ter clientes que queriam fazer um teste para sair à noite tinham de fazer 30 ou 40 quilómetros para encontrar uma farmácia que comparticipasse”, contou ao Jornal Económico o presidente da Associação de Discotecas Nacional (ADN).

 

Relacionadas

Hotéis e restaurantes pedem “medidas compensatórias” devido a suspensão de festas no Ano Novo

A associação defende que os cancelamentos de festas de Ano Novo “vêm abalar a confiança, quer das empresas quer dos consumidores”.

AHRESP apela ao Governo que promova redução do endividamento das empresas

Um dos pedidos da AHRESP ao Governo passa por disponibilizar “20% de todo o financiamento concedido no âmbito das linhas de crédito Covid-19” em “fundo perdido”. 
Recomendadas

EDP emite 500 milhões de dólares de ‘green bonds’ a 5 anos

Esta emissão destina-se ao financiamento (ou refinanciamento) do portfólio de projetos renováveis elegíveis da EDP, anuncia a empresa.

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.
Comentários