AICEP abre delegações na Finlândia e Noruega esta semana

O Investimento Direto em Portugal (IDE) oriundo da Finlândia regista um crescimento de 19% no período 2017 a 2021 tendo alcançado um stock de 69 milhões de euros em dezembro de 2021. Já o stock de Investimento Direto da Noruega em Portugal foi de 134 milhões de euros em dezembro de 2021.

Joaquim Morgado/ICPT

A AICEP inaugura duas novas delegações, na Noruega e Finlândia, esta semana. As aberturas oficiais dos novos escritórios realizam-se esta terça-feira, 8 de novembro, em Oslo, e quinta-feira, 10 de novembro, em Helsínquia, anuncia o organismo estatal.

Com a abertura das novas Delegações nos Países Nórdicos, que serão coordenadas pela Delegação na Suécia, a AICEP pretende contribuir para aprofundar as relações económicas bilaterais, aumentando exportações, estabelecer novas parcerias e potenciar novos projetos de investimento para Portugal.

“Nos últimos anos, os Países Nórdicos têm tido taxas de crescimento interessantes na balança comercial portuguesa e, ao analisar globalmente os dados estatísticos das exportações a dezembro de 2021, a soma dos quatro mercados nórdicos – Suécia, Finlândia, Noruega e Dinamarca – posiciona-os como o 8º cliente de Portugal”, diz a AICEP que acrescenta que “paralelamente, tem aumentado o número de empresas exportadoras de bens para estes países, com a exportação de serviços também a registar um crescimento constante”.

“Já no que se refere ao investimento direto nórdico em Portugal, também assistimos a um crescente interesse em setores novos da economia”, lembra a instituição.

“Os Países Nórdicos são um bom mercado de diversificação para as empresas portuguesas dentro da Europa e ainda existe uma boa margem de progressão em termos de quota de mercado. São países que valorizam a qualidade, o design e a sustentabilidade, em que as empresas portuguesas são competitivas. Também a procura de empresas nórdicas que se pretendem estabelecer em Portugal tem vindo a aumentar de forma significativa, destacando-se o setor das novas tecnologias/software, com várias leads de investimento em acompanhamento pela AICEP”, refere o Presidente da AICEP, Luís Castro Henriques em comunicado.

Além do Presidente da AICEP, Luís Castro Henriques, as cerimónias de abertura oficial das novas Delegações contam com a presença do Secretário de Estado da Internacionalização, Bernardo Ivo Cruz, e do Secretário de Estado do Planeamento, Eduardo Pinheiro, bem como do Embaixador de Portugal na Noruega, Pedro Pessoa e Costa, e do Embaixador de Portugal na Finlândia, Francisco Vaz Patto, e da Administradora da AICEP, Madalena Oliveira e Silva.

Na agenda da missão à Noruega e Finlândia, de 6 a 11 de novembro, destaque para os Seminários promovidos pela AICEP com vista a dinamizar a notoriedade de Portugal e contribuir para estreitar relações entre empresas portuguesas, norueguesas e finlandesas: o Seminário “EEA Grants – Portugal and Norway – an Ocean of Opportunities for Business Cooperation”, organizado com o EEA Grants Portugal; e o Seminário “Portugal & Finland’s Bilateral Trade and Investment”.

Além disso, também haverá lugar a várias reuniões e contactos, nomeadamente com potenciais investidores noruegueses e finlandeses, bem como visitas a empresas e incubadoras, com o objetivo de estimular novos negócios e parcerias para as empresas portuguesas.

Importância do relacionamento Bilateral Económico Portugal-Noruega

No comércio internacional de bens, a Noruega ocupou a 31.ª posição como cliente e 48.º enquanto fornecedor de Portugal em 2021.

No período de 2017 a 2021, as exportações portuguesas de bens para a Noruega cresceram em média 10,6%, tendo atingido 246 milhões de euros em 2021.

O número de empresas portuguesas exportadoras para o mercado norueguês tem aumentado de forma consistente nos últimos anos, o que reflete o interesse crescente por este mercado. Em 2021 exportaram para a Noruega 1130 empresas, quando em 2017 eram 970.

Principais grupos de exportação de bens (2021) foram Minerais e minérios (35,3%); Metais comuns (16,5%); Máquinas e aparelhos (13,2%); Alimentares (7,2%); Plásticos e borracha (5,0%).

O stock de Investimento Direto da Noruega em Portugal foi de 134 milhões de euros em dezembro de 2021.

O Relacionamento Bilateral Económico Portugal-Finlândia em números

No que se refere ao comércio de bens, a Finlândia ocupa a 20.ª posição como cliente (432 milhões de euros de exportação) e 33.ª como fornecedor (231 milhões de euros de importação).

No período de 2017 a 2021 as exportações portuguesas de bens registaram um crescimento anual médio de 20% para este mercado.

Foram identificadas 1020 empresas nacionais a exportar para o mercado finlandês em 2021, verificando-se um aumento consistente do número de operadores económicos desde 2016 (quando se contabilizaram 806 operadores económicos a exportar para a Finlândia), o que confirma o crescente interesse do tecido empresarial nacional por este mercado.

Principais grupos de exportação de bens (2021) foram Minerais e minérios (63%), Metais comuns (7,4%); Alimentares (4,8%), Matérias têxteis (4,5%); Vestuário (4,4%), Máquinas e aparelhos (4,2%).

O Investimento Direto em Portugal (IDE) oriundo da Finlândia regista um crescimento de 19% no período 2017 a 2021 tendo alcançado um stock de 69 milhões de euros em dezembro de 2021.

 

Recomendadas

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários