AICEP assina dois novos acordos com empresas chinesas

“Vamos abrir portas a novas oportunidades de negócio para as empresas portuguesas e continuar a promover Portugal como destino de investimento”, referiu o Presidente da AICEP, Luís Castro Henriques.

Cristina Bernardo

No âmbito de visita oficial do Presidente da China, Xi Jinping, a Portugal, a AICEP assinou hoje acordos com empresas chinesas para promover o investimento em Portugal e apoiar as empresas portuguesas a exportar mais para este mercado.

Foi assinado um memorando de entendimento entre a COFCO International e a AICEP para a criação do Centro de Excelência “para serviços corporativos partilhados da COFCO International, em Matosinhos”, revela a AICEP.

Este acordo foi assinado por Jun Lv, Chairman da COFCO Corporation, e Luís Castro Henriques, Presidente da AICEP.

O novo Centro de Excelência no Porto começou a operar este mês e permitirá criar 400 novos postos de trabalho, em áreas como TI, procurement, recursos humanos e finanças, prestando serviços de última geração aos negócios da COFCO International a nível global.

A AICEP também assinou um acordo com a JD.com, plataforma de E-Commerce, terceira maior internet company do mundo, concorrente da Tmall e Taobao (ambos do grupo Alibaba), com uma carteira de clientes estimada em 300 milhões, anuncia a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E., que é uma entidade empresarial do Estado Português que visa o desenvolvimento e a execução de políticas estruturantes e de apoio à internacionalização da economia portuguesa.

“Estamos muito contentes por concretizar estas parcerias estratégicas com importantes empresas chinesas. Vamos abrir portas a novas oportunidades de negócio para as empresas portuguesas e continuar a promover Portugal como destino de investimento”, referiu o Presidente da AICEP, Luís Castro Henriques.

Estes acordos somam-se ao acordo de parceria estratégica com o gigante chinês de E-Commerce Alibaba, que a AICEP assinou no passado dia 29 de novembro, para facilitar o acesso das empresas portuguesas aos 600 milhões de consumidores chineses, recorda a agência.

A China é um mercado muito relevante para Portugal e as relações bilaterais entre os dois países têm crescido. A China passou de 28º cliente das exportações portuguesas, em 2008, para o 11º em 2017, revela a agência,

A AICEP recorda que a China faz, aliás, parte de um conjunto de geografias consideradas de alto potencial (mercados core) no Plano Estratégico da AICEP para o triénio 2017-2019, “tendo em consideração a margem de progressão das exportações nacionais para o mercado e o potencial de atração de investimento estrangeiro”.

Relacionadas

Do comércio à educação: conheça os 17 acordos de cooperação assinados entre Portugal e China

No âmbito da vista do presidente chinês, Xi Jinping, a Lisboa, Portugal e a China assinaram, esta quarta-feira, 17 acordos de cooperação, entre os quais dez memorandos de entendimento entre os dois países.

Criado laboratório luso-chinês para estudo do espaço e dos oceanos

O STARLab será financiado em partes iguais pelos dois países e no total está previsto um investimento que ronda os 50 milhões de euros nos próximos anos e a abertura de centros de investigação e desenvolvimento em Portugal e na China.

“Subimos mais um degrau nas nossas relações”, diz António Costa sobre acordos com a China

O primeiro-ministro português reuniu-se esta quarta-feira com o Xi Jinping, tendo sido assinado 17 acordos em diversas áreas, como comércio e a tecnologia.

Xi Jinping: Acordos assinados vão levar parceria estratégica entre Portugal e China “para outro patamar”

No último dia da visita oficial a Portugal, Xi Jinping afirmou que ambos os países se encontram num “momento histórico”, que vai permitir explorarem juntos outros mercados internacionais.
Recomendadas

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP diz que a opção de comprar 50 BMWs representa uma poupança superior a 20% do valor mensal da renda e tributação, relativamente a novos contratos de renting e está em linha com o plano de reestruturação.

Sindicato diz que renovação da frota automóvel da TAP é ética e moralmente condenável

Num comunicado aos associados que a Lusa teve acesso, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) assinala que “foi com enorme estupefação e uma boa dose de vergonha alheia que os sindicatos, os trabalhadores do grupo TAP e os contribuintes portugueses foram confrontados com uma notícia que pode até ter uma rebuscada justificação económica, mas que é ética e moralmente condenável”.

Investimentos em eólicas e solar foram 15 vezes superiores ao nuclear – relatório

Cerca de 350 mil milhões de dólares foram investidos em todo o mundo em projetos de energia solar ou eólica, contra os 24 mil milhões dedicados a projetos de energia nuclear, indica o World Nuclear Industry Status Report.
Comentários