AICEP promove Portugal em Cuba

O presidente da AICEP – Portugal Global visita Havana por ocasião da Feira Internacional de Havana (FIHAV) nos dias 6 e 7 de novembro. Na ocasião, a agência entrará em contacto com as empresas portuguesas ali presentes e serão promovidos encontros institucionais com as autoridades cubanas. Miguel Frasquilho acredita que “Cuba oferece inúmeras oportunidades para as empresas portuguesas […]

O presidente da AICEP – Portugal Global visita Havana por ocasião da Feira Internacional de Havana (FIHAV) nos dias 6 e 7 de novembro.

Na ocasião, a agência entrará em contacto com as empresas portuguesas ali presentes e serão promovidos encontros institucionais com as autoridades cubanas.

Miguel Frasquilho acredita que “Cuba oferece inúmeras oportunidades para as empresas portuguesas nos mais diversos sectores e que Portugal e os empresários portugueses podem contribuir para o desenvolvimento económico cubano”.

O presidente da AICEP considera que “este é um bom momento para os empresários portugueses avaliarem as oportunidades que Cuba oferece bem como para estabelecerem potenciais parcerias que possam contribuir para o desenvolvimento social de Cuba”.

Para o presidente da AICEP, Portugal pode ser um país parceiro de Cuba em setores como a agroindústria, hotelaria, reabilitação urbana e indústrias ligadas a bens de primeira necessidade.

OJE

Recomendadas

Natal. 87% dos portugueses vão decorar as casas e só 27% querem reduzir na eletricidade

São 54% os portugueses que não pensam gastar dinheiro em novas decorações (19% prevê gastar até 25 euros e 16% prevê gastar entre 25 e 50 euros), de acordo com os dados revelados por um estudo da Klarna.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.