Air Asia envolvida em terceiro maior incidente com companhia aérea da Malásia este ano

Um avião da Air Asia com 162 pessoas a bordo desapareceu hoje em rota da Indonésia para Singapura, informou o governo e a companhia ‘low cost’, naquele que é o terceiro maior incidente com uma transportadora da Malásia este ano. “O voo da AirAsia que partiu de Surabaia para Singapura perdeu contacto com Jacarta às […]

Um avião da Air Asia com 162 pessoas a bordo desapareceu hoje em rota da Indonésia para Singapura, informou o governo e a companhia ‘low cost’, naquele que é o terceiro maior incidente com uma transportadora da Malásia este ano.

“O voo da AirAsia que partiu de Surabaia para Singapura perdeu contacto com Jacarta às 07h55 (23h55 em Lisboa), disse à AFP o porta-voz do Ministério dos Transportes da Indonésia, J.A. Barata.

O avião partiu do aeroporto internacional de Juanda, em Surabaia, no leste de Java, às 05:20 (21:20 de sábado em Lisboa) e deveria chegar a Singapura às 08:30 (00:30 em Lisboa).

O diretor da Direção Geral de Transporte Aéreo da Indonésia, Djoko Murjatmodjo, disse à AFP que o avião – um A320-200 – transportava sete tripulantes e 155 passageiros – 138 adultos, 16 crianças e um bebé, atualizando os números anteriormente divulgados de que estariam 161 pessoas a bordo.

A televisão indonésia Metro TV informou que 149 dos passageiros têm nacionalidade indonésia, três são coreanos e os restantes são um britânico, um malaio e um nacional de Singapura.

Murjatmodjo disse que as buscas estavam concentradas numa área entre a ilha Belitung e Kalimantan, na parte ocidental da ilha do Bornéu, a cerca de meio caminha da rota esperada do voo QZ8501.

“Estamos a coordenar com as equipas de busca e à procura da sua posição. Acreditamos que (o aparelho) estará algures entre” Tanjung Pandan, uma localidade na ilha de Belitung e Kalimantan, afirmou.

A Autoridade de Aviação Civil de Singapura informou que o avião perdeu o contacto com a torre de tráfego de controlo aéreo de Jacarta quando já estava no espaço aéreo da Indonésia.

“Operações de busca e salvamento foram ativadas pelas autoridades indonésias do departamento de buscas e resgate de Pangkal Pinang”, adiantou, acrescentando que a Marinha e Força Aérea de Singapura ofereceram ajuda.

A Air Asia, com sede na Malásia, confirmou o desaparecimento do aparelho.

“No presente momento, infelizmente, não temos mais informações sobre o estado dos passageiros e dos tripulantes a bordo, mas vamos manter todas as partes informados sempre que forem disponibilizadas mais informações”, informou a companhia de baixo custo.

Este é o terceiro de três grandes incidentes a envolverem companhias aéreas da Malásia este ano.

O voo MH370, da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, despareceu em março, quando fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim. O aparelho continua desaparecido.

Em julho, um segundo aparelho da mesma companhia, que operava o voo MH17, foi alegadamente derrubado no leste da Ucrânia, provocando a morte das 298 pessoas a bordo.

A Air Asia é liderada pelo empresário malaio e de ascendência portuguesa Tony Fernandes.

Enquanto a Malaysia Airlines enfrenta um potencial colapso após os dois desastres deste ano, a Air Asia confirmou este mês uma encomenda de 55 A330-900 ao preço de tabela de 15 milhões de dólares, escreve a agência AFP.

OJE/Lusa

Recomendadas

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.

BPI e FCT financiam 20 projetos e nove ideias para o desenvolvimento sustentável no Interior

A edição de 2022 do Programa Promove, uma iniciativa da Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e em parceria com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), concedeu apoios a fundo perdido de perto de 3,6 milhões a um total de 20 projetos e nove ideias destinados a impulsionar o desenvolvimento sustentável de regiões do interior de Portugal.