Airbnb concorda em impor limites no arrendamento em Londres e Amsterdão

A empresa diz que vai proibir os proprietários de quebrarem as regras no alojamento de curta duração.

O Airbnb concordou em restringir o número de noites que os proprietários podem alugar as suas casas em Londres e Amsterdão, cedendo à pressão dos reguladores em dois mercados europeus chave, avança o ‘Financial Times’.

A decisão marca a primeira vez que o Airbnb concordou em impor limites anuais de arrendamento. Até hoje, o Airbnb argumentava que não poderia ser responsável pelo controlo de milhares de propriedades em 34 mil cidades com regulamentações muito diferentes.

A partir do próximo ano, o serviço online impedirá automaticamente que os anfitriões em Londres aluguem as suas casas por mais de 90 noites por ano, a menos que tenham uma licença de arrendamento passada pelas autoridades locais. O Airbnb ainda não aplicou o limite, confiando que os proprietários londrinos respeitem as regras.

Da mesma forma, em Amsterdão, o Airbnb aplicará um limite aos proprietários de 60 noites por ano e vai permitir que os vizinhos das casas listadas na plataforma possam partilhar problemas relacionados com o arrendamento, como o barulho.

“Queremos ser bons parceiros para todos em e garantir que a partilha de casa cresça de forma responsável e sustentável”, disse James McClure, director-geral da Airbnb para o norte da Europa citado pela Bloomberg.

Para o Airbnb, que recentemente atingiu uma avaliação de 30 mil milhões de dólares, a resolução destas batalhas sem prejudicar a sua imagem é um teste importante antes de qualquer eventual oferta pública de venda.

O Airbnb recusou-se a comentar o impacto que esta medida poderia ter na. Londres é um dos três principais mercados da empresa, juntamente com Nova Iorque e Paris, e Amsterdão está entre os seis melhores na Europa.

O Airbnb afirmou que 35 mil proprietários receberam 1,5 milhões de hóspedes em Londres até ao dia 16 de setembro e um anfitrião “típico” da Airbnb teve reservas por 50 noites em 2015. Em Amsterdão, a empresa tinha 14.200 alojamentos listados com 575.000 reservas em 2015 e um alojamento típico teve hóspedes durante 28 noites por ano.

Essa mudança de abordagem ocorre num momento em que a empresa de Silicon Valley está em negociações com reguladores em Nova Iorque e São Francisco, que têm tentado proibir o uso do serviço.

 

Recomendadas

Musk avança para a compra do Twitter e ações disparam 22%

O CEO da Tesla, Elon Musk, voltou atrás na negociação e concordou em comprar o Twitter pelo preço original acordado de 44 mil milhões de dólares. As negociações da tecnológica na bolsa norte-americana foram interrompidas aquando do anúncio e retomaram a valorizar 22%.

Amazon congela contratações para a área de retalho

A gigante do comércio eletrónica pausou todas as contratações de executivos para a sua unidade de retalho e interrompeu os processos de recrutamento em curso. Também Google, Apple e Meta já tomaram medidas semelhantes.

Celsius. Depois da insolvência, CEO e co-fundador de saída

O co-fundador e Chief Strategy Officer da Celsius, uma plataforma de criptomoedas, S. Daniel Leon, está de saída. A decisão foi conhecida uma semana depois da demissão do CEO, Alex Mashinky, e poucos meses depois do aberto o processo de insolvência.
Comentários