Airbnb proíbe de vez festas nas casas da plataforma

A empresa tinha proibido em 2020, numa medida “em interesse da saúde pública” e agora decidiu tornar a medida definitiva em todo o mundo, numa forma de “apoio aos anfitriões e vizinhos”.

O Airbnb proibiu de vez a realização de festas nas casas arrendadas através da plataforma. Depois de desautorizar festas de “convite aberto”, no final de 2019, foi no início da pandemia que a empresa baniu todo o tipo de festas e num ano notou uma queda de 15% de denúncias destes eventos, segundo relata em comunicado.

Em 2020 foi “em interesse da saúde pública”, mas a partir de agora é uma medida definitiva – é proibido realizar festas em casas arrendadas na plataforma, não só em Portugal, mas em todo o globo. Uma opção tomada pela empresa, que visa apoiar “anfitriões e vizinhos”. A plataforma vai também remover o limite de 16 pessoas alojadas em casas da plataforma, depois de ter recebido comentários de anfitriões cujas casas podem alojar maior um número.

Em 2021, mais de 6.600 anfitriões por todo o mundo foram suspensos por “tentarem violar a proibição de festas”. Uma situação em que o Airbnb se coloca do lado dos anfitriões com proteção contra eventuais danos materiais.

A plataforma destaca também a Tecnologia de Reservas de Alto Risco, que permite bloquear tentativas de arrendar habitações com o propósito de organizar festas. Para tal, são analisados fatores como a data e a duração da estadia.

Foi também criada a linha de Apoio ao Bairro em português, que serve para queixas sobre eventuais distúrbios provocados pelos hóspedes. Existe também um programa, lançado pelo Airbnb no ano passado, que se aplica na distribuição de detetores de ruído que permitem notificar os anfitriões caso um determinado volume seja ultrapassado.

Foi ainda lançado o guia Bem-vindo a Lisboa, destinado aos hóspedes, com dicas fáceis sobre como viver como um local. Por fim, a empresa lançou o Portal da Cidade em Lisboa, que visa “apoiar as autoridades turísticas da cidade com dados sobre os bairros”.

Recomendadas

Procura de casa subiu 7,5% em Lisboa e desceu 5,6% no Porto no primeiro semestre

No entanto, as duas regiões continuam a ser as mais procuradas do país para encontrar casa. Lisboa lidera, representando 23,5% seguida pelo Porto, com 18,3% do total da procura, com um peso global de 42%.

Preços das casas aumentaram 10,9% no primeiro semestre

Este valor representa um crescimento homólogo de 17,6%. Em Lisboa, os preços das casas registam uma subida semestral de 3,6% e homóloga de 10,6%. Já no Porto, as subidas foram de 11,1% e 19,6%, respetivamente.

INE: custos de construção de habitação nova sobem 13%

O INE dá conta de uma subida de 17,2% dos preços dos materiais em termos homólogos, não obstante a desaceleração de 1,6 p.p. face ao mês anterior; quanto ao custo da mão de obra, registou-se um aumentou 6,9% do mesmo em junho, uma subida de mais de 0,5 p.p face ao registado no mês anterior.
Comentários