Airbus investiu 69 milhões de euros em Portugal no ano passado

Questionado sobre a fabricante de aeroestruturas Stelia Aerospace, unidade de montagem em Santo Tirso, no distrito do Porto, César Sanchez disse que a produção já arrancou.

O vice-presidente da Airbus para o sul da Europa e Israel disse esta terça-feira à Lusa que o investimento em 2021 foi de 69 milhões de euros e que a produção da Stelia Aerospace (Santo Tirso) já arrancou.

“O forte desenvolvimento” das atividades Stelia Aerospace Portugal e do centro Airbus Global Business Services (GBS) no mercado português “permitiu à Airbus aumentar o investimento global em Portugal” numa média de 16% ao ano “nos últimos quatro anos”, afirmou César Sanchez, em resposta por escrito a questões da Lusa.

Em 2021, o total investido pela Airbus no país foi de “69 milhões de euros”.

O responsável destacou que a fabricante aeronáutica tem investido “em capacidades fortes e avançadas no país, posicionando Portugal como um ‘key player’” do modelo industrial da Airbus.

“Portugal está a bordo de todos os programas comerciais da Airbus”, tal como está “ativo numa vasta gama de atividades”, além de que todas as divisões da fabricante são abastecidas em Portugal.

Questionado sobre a fabricante de aeroestruturas Stelia Aerospace, unidade de montagem em Santo Tirso, no distrito do Porto, César Sanchez disse que a produção já arrancou.

“Graças ao apoio das autoridades portuguesas, a Stelia Aerospace Portugal está bem encaminhada. A produção já começou com cerca de 100 pessoas contratadas e a trabalhar nas novas instalações“, adiantou o vice-presidente da Airbus para o sul da Europa e Israel.

“Este projeto prevê, a médio prazo, a criação de mais de 250 postos de trabalho“, sendo que o local terá uma área de 25.000 metros quadrados.

“A Stelia Aerospace Portugal faz parte de um sistema industrial coerente e integrado”, referiu.

O objetivo “é desenvolver uma forte competência no fabrico de aeroestruturas em Portugal, de forma a complementar a nossa estratégia e ‘footprint’ industrial global, e contribuir para a nossa competitividade”, sublinhou.

Questionado sobre se a Airbus admite outros investimentos no mercado português nos próximos três anos, César Sanchez salientou que, “ao longo dos anos”, a fabricante “tem contribuído para a economia local por via do desenvolvimento” da cadeia de abastecimento do grupo.

“Apesar do difícil contexto económico, a Airbus reiterou repetidamente o seu compromisso com Portugal, investindo na área industrial e empresarial regional de Portugal através da Stelia Aerospace Portugal e do centro Airbus Global Business Services”, sublinhou.

“Este compromisso continuará a trazer benefícios mútuos tanto para Portugal como para a Airbus nos próximos anos, nomeadamente através da criação de empregos domésticos adicionais em todo o setor”, rematou.

Sobre o tema de eventuais atrasos na entrega de aeronaves, o responsável escusou-se a fazer comentários, uma vez que o grupo não comenta “elementos contratuais” em relação aos seus clientes.

A Airbus é o patrocinador Platinum da nona edição dos AED Days 2022, o principal evento do ‘cluster’ de aeronáutica, espaço e defesa português, que se realiza em Oeiras entre esta terça-feira e 27 de maio.

Atualmente, a Airbus tem cerca de 30 fornecedores portugueses, representando um volume de compras diretas de cerca de 65 milhões de euros por ano.

O grupo é responsável por mais de 1.100 empregos em Portugal gerados diretamente pelo negócio da Airbus, além de mais de 4.000 empregos indiretos.

Recomendadas

À beira dos 100 anos de vida, Disney está prestes a perder os direitos sobre o Mickey

Os direitos de autor sobre a personagens estão quase a expirar e vão passar para domínio público, como consequência da lei dos Estados Unidos.

Jogos Olímpicos 2024. Empresa portuguesa recebe cinco milhões para construção arquitetónica

O contrato está inserido numa operação de 136 milhões de euros e visa a construção da Arena Porte de la Chapelle, que vai servir de palco para os Jogos de 2024.

MP pede ao Tribunal da Concorrência para manter coima de 48 milhões à EDP e empresa pede absolvição

O Ministério Público pediu hoje ao Tribunal da Concorrência para manter a coima de 48 milhões de euros aplicada à EDP Produção por abuso de posição dominante, tendo a empresa defendido a absolvição “pura e simples”.
Comentários