Ajustamentos à capacidade da TAP “permitirão responder à retoma assim que ela aconteça”

O documento de trabalho do Plano de Reestruturação da TAP, hoje apresentado pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, admite que apesar dos ajustamentos que serão feitos na TAP, a companhia manterá capacidade de resposta para a altura em que se confirme a retoma da atividade da aviação civil.

TAP

Os “ajustamentos à capacidade, à frota e ao quadro de pessoal permitem que a TAP mantenha uma dimensão que a torna apta a responder à retoma assim que ela aconteça, bem como a manter a liderança no hub de Lisboa e a sua estratégia de conexão entre a Europa, as Américas e África”, refere o documento que serviu de base à realização do Plano de Reestruturação da TAP, hoje apresentado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

O documento explica que a concorrência da TAP está também a efetuar reestruturações, envolvendo “reduções de pessoal significativas, perfazendo entre 13% e 45% de redução de postos de trabalho no setor da aviação mundial”. No caso da Air France-KLM procedeu a uma redução de 20% de trabalhadores e 20% de salário, sabendo-se que França fez um empréstimo de sete mil milhões de euros à Air France. “Ter uma companhia aérea própria” é uma questão “de soberania”, afirmou recentemente o ministro da Economia e Finanças francês, Bruno Le Maire.

Na Lufthansa os pilotos reduziram 45% do respetivo salário e os tripulantes de cabina tiverem um corte de 25%. A Ryanair vai reduzir cerca de 3.000 postos de trabalho, num universo de 16 mil trabalhadores. Na Easyjet perto de um terço dos funcionários da companhia aérea foram dispensados, o que corresponde a 5.000 funcionários, dos quais 727 pilotos.

Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários