PremiumAl Qaeda terá escolhido um egípcio para suceder a al-Zawahiri

Saif al-Adel, um ex-comando egípcio e um dos últimos sobreviventes da geração fundadora da Al Qaeda – e que passou grande parte das últimas duas décadas no Irão – é, segundo os observadores ocidentais, o mais provável herdeiro da cadeia de comando do grupo terrorista, depois da morte, esta semana, de Ayman al-Zawahiri, na sequência de um ataque de drones da responsabilidade dos Estados Unidos.

Segundo as agências internacionais, Saif al-Adel foi um servidor leal de Osama bin Laden e chegou a ser líder interino da Al Qaeda em 2011, altura em que organizou o processo de sucessão em favor de al-Zawahiri, primeira escolha do próprio bin Laden. Com o seu afastamento, o egípcio não parece ter, segundo a análise ocidental, qualquer competidor à altura, num quadro em que a questão geracional é um posto.

Saif al-Adel (que quer dizer Espada da Justiça) é em grande medida um desconhecido: existem apenas algumas supostas fotografias suas – nenhuma delas com bin Laden, ao contrário do que acontecia com al-Zawahiri – e terá simulado a sua morte quando tinha apenas 20 anos. Nascido no início da década de 1960, é um antigo coronel do exército egípcio que os Estados Unidos acusam de ter participado nos atentados à bomba da embaixada dos Estados Unidos no Quénia em 1998.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumIL quer avaliar e premiar o mérito na Função Pública

Cotrim de Figueiredo dá o pontapé de saída nos eventos da rentrée política elegendo como prioridade a Administração Pública. Quase todos os partidos vão abordar a degradação dos serviços públicos. PS só regressa em setembro.

PremiumEmpresas da Madeira preparadas para prevenir ataques cibernéticos

Especialistas urgem para a importância em investir nas tecnologias de segurança, pelo que deve ser um investimento contínuo e ininterrupto.

PremiumComércio preocupado com restrições na energia

Peso da Covid-19 sobre o comércio já passou, mas energia (e eventuais restrições ao consumo) gera preocupação, diz líder da CCP.
Comentários