Alba, Mercosul e Caricom vão criar zona económica conjunta

Os países membros do Mercado Comum do Sul (Mercosul), Aliança Bolivariana para os Povos da nossa América (Alba) e da Aliança do Pacífico e da Comunidade das Caraíbas (Caricom), chegaram sábado a acordo para criar uma zona económica conjunta. O anúncio do pacto foi efetuado pelo ministro venezuelano de Relações Exteriores, Rafael Ramírez, no âmbito […]

Os países membros do Mercado Comum do Sul (Mercosul), Aliança Bolivariana para os Povos da nossa América (Alba) e da Aliança do Pacífico e da Comunidade das Caraíbas (Caricom), chegaram sábado a acordo para criar uma zona económica conjunta.

O anúncio do pacto foi efetuado pelo ministro venezuelano de Relações Exteriores, Rafael Ramírez, no âmbito de uma reunião em que participaram os ministros dos Negócios Estrangeiros de países do Mercosul e da Aliança do Pacífico, que teve lugar em Cartagena de Índias, Colômbia.

“Parece-nos o cenário ideal para continuar a debater os diferentes modelos (económicos)”, diz o ministro venezuelano destacando que a iniciativa permitirá continuar a avançar na integração regional.

Por outro lado, segundo Rafael Ramírez, existem “iniciativas como as da União de Nações da América do Sul (Unasul) e da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac)”, que devem ser fortalecidas.

A Aliança do Pacífico é um bloco de comércio livre composto pelo Chile, a Colômbia, o México e o Peru, enquanto a Venezuela, Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, integram o bloco do Mercosul.

A Alba – Tratado de Comércio dos Povos integra, por sua vez, Antigua e Barbuda, Bolívia, Cuba, Dominica, Equador, Nicarágua, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Suriname, Venezuela e Haiti.

O bloco de cooperação económica Caricom é composto pela Antigua e Barbuda, Belize Dominica, Granada, Guiana, Haiti, Jamaica, Montserrat, Santa Lúcia Santa Lúcia, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidad e Tobago.

OJE/Lusa

Recomendadas

Marcelo “pessimista” teme efeitos de “discurso muito dramático” do BCE

Perante uma plateia de empresários portugueses em São Francisco, na noite de segunda-feira na Califórnia, hoje de madrugada em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu, porém, também ele “uma análise pessimista” da conjuntura económica portuguesa nos próximos tempos, “por causa do mundo”.

Admitidas 13 candidaturas ao concurso público internacional do SIRESP

Para a SIRESP SA, o “número significativo de candidatos qualificados é demonstrativo de que se encontram asseguradas condições de concorrência adequadas entre os potenciais interessados do setor de mercado relevante e de que o concurso poderá vir a consubstanciar-se numa mais-valia económica e tecnológica para o interesse público, que o Estado visa prosseguir com a aquisição desses serviços”.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta terça-feira

Destaque do dia para a Rússia, que vai publicar os dados relativos à taxa de desemprego e outros indicadores macroeconómicos, numa altura em que o esforço bélico e o prolongamento das sanções começam a afundar a economia do país.