Albuquerque admite que lista conjunta PSD/CDS-PP às eleições na Madeira deixa “muita gente nervosa”

O presidente do executivo madeirense admitiu existir alguma tensão interna na elaboração das listas para as eleições regionais de 2023, referindo que o assunto será decido na “altura própria” pelas direções dos dois partidos. Miguel Albuquerque disse que seria um contrassenso se PSD e CDS-PP apresentassem listas próprias tendo em conta que a experiência no Governo Regional, onde governam em coligação, “está a correr bem”.

O presidente do PSD Madeira e do Governo Regional, Miguel Albuquerque, admitiu existir alguma tensão interna na elaboração das listas para as eleições regionais, previstas para 2023, onde o PSD vai coligado com o CDS-PP, partidos que atualmente governam em coligação na região autónoma.

“A questão das listas deixa sempre muita gente nervosa nos partidos, mas é preciso ter calma e ponderação”, afirmou Miguel Albuquerque, que é também presidente do Governo Regional de coligação PSD/CDS-PP, que tomou posse em 2019, quando os social-democratas perderam pela primeira vez a maioria absoluta na Região Autónoma da Madeira.

Falando à margem de uma visita à sede do Grupo Alberto Oculista, no Funchal, Albuquerque disse que seria um “contrassenso” os partidos avançarem para as eleições com listas próprias, considerando que tal significaria que o Governo Regional não estava a correr bem.

“Como o Governo está a correr bem, é um Governo eficaz, é um Governo que gera confiança na nossa sociedade, seria um contrassenso não irmos coligados”, declarou.

O líder social-democrata admitiu, no entanto, a existência de alguma tensão interna face à elaboração das listas, em relação aos nomes e à posição que vão ocupar, afirmando que o assunto será decidido “na altura própria” pelas direções dos dois partidos.

“Temos tempo para isso”, disse, reforçando: “Temos ainda um ano de Governo pela frente, temos um orçamento para aprovar e para executar, temos no próximo ano o início do próximo quadro comunitário de apoio que exige grandes responsabilidades, temos uma situação de incerteza na conjuntura internacional que exige que o Governo esteja atento a cada evolução semanal”.

A eleição para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, que dará posse ao Governo Regional para o período 2023-2027, deverá ocorrer em setembro ou outubro do próximo ano.

Na atual legislatura, o PSD e CDS-PP têm, juntos, maioria absoluta no parlamento regional, com 24 dos 47 lugares (21 social-democratas e três centristas). O PS tem 19 deputados, o JPP três e o PCP um.

Recomendadas

Médicos internos preenchem totalidade das 39 vagas disponibilizadas à Madeira

Este processo, que decorre em simultâneo a nível nacional, é acompanhado na Região Autónoma da Madeira pelo Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE), entidade responsável pelo Internato Médico na Região.

Funchal: Prorrogado prazo de reabilitação da ETAR

Foi aprovada a participação da Câmara num instituto sem fins lucrativos, o Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Tecnológica (IDEA).

Madeira aprova 74 contratos-programa de desenvolvimento desportivo no valor de quatro milhões de euros

Foi autorizada ainda a celebração de um acordo de cooperação entre o Instituto de Segurança Social da Madeira e a Associação Santana Cidade Solidária, de 21,4 mil euros, relativo ao financiamento das respostas sociais loja social e atendimento e acompanhamento social.
Comentários