Albuquerque afirma que a região não pode continuar com uma Lei de Finanças Regionais que é discriminatória para a Madeira

O presidente do Governo Regional da Madeira reivindica também um “conjunto de poderes”, como ficou “claro” nesta crise sanitária, para que a Madeira “possa tomar decisões na salvaguarda” do interesse da população.

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou que a região não pode continuar com uma Lei das Finanças Regionais que considera ser “discriminatória”, e que é “insuficiente” para responder às necessidades da ilha.

O governante, durante uma sessão de cumprimentos com Ireneu Barreto, representante da República, disse ainda que é preciso garantir que a Madeira tenha um “conjunto de poderes”, como ficou “claro” nesta crise sanitária, para “podermos tomar decisões na salvaguarda” do interesse da população.

Albuquerque disse que em 2021 existe um “horizonte de esperança”, tendo em conta o aparecimento de vacinas para o covid-19, mas que também é preciso fazer um “trabalho importante” na recuperação económica e social.

A curto prazo Albuquerque considera que é preciso alavancar a economia da Madeira, e a médio e longo prazo “é fundamental” olhar para as necessidades de financiamento estrutural da região.

Recomendadas

PS critica oportunidades perdidas do Governo da Madeira para renovar frota pesqueira e considera apoios insuficientes

O PS acusa o Governo Regional de ter as prioridades erradas e critica o executivo por não ter usadas verbas de fundos comunitários e do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para a renovação da frota pesqueira de peixe-espada preto.

Presidente da Câmara do Funchal quer canalizar apoios para quem mais precisa e abranger mais pessoas

O autarca acrescentou “que mais importante do que dar o peixe é ensinar a pescar”, o que “obriga-nos a dar condições às pessoas para produzirem mais e melhor, e sermos mais justos com quem realmente precisa”.

Madeira: PTP expressa preocupação com programa de recuperação de cirurgias

O partido defende a alocação de mais recursos para os programas de recuperação de cirurgias, e considera que este deveria ser “eficiente e servir os seus objetivos de recuperação e não contribuir para agravar e desestabilizar o que está funcionando bem na saúde”.
Comentários