Aldi investe 60 milhões de euros em novo centro de distribuição na Moita

“A nova estrutura foi desenhada para suportar o abastecimento a mais de 150 lojas em território nacional, e surge da natural necessidade em apoiar o ambicioso plano de expansão da Aldi em Portugal, que prevê atingir as 200 lojas em 2025”, destaca um comunicado do grupo germânico de distribuição.

A Aldi Portugal investiu 60 milhões de euros no seu novo centro de distribuição na Moita, inaugurado oficialmente ontem, dia 19 de abril.

O novo centro de distribuição passa a ser o maior da Aldi em Portugal e um dos maiores do grupo Aldi Nord, passando também a ser o maior investimento alguma vez realizado no concelho da Moita.

Possui uma área total de 57 mil metros quadrados, e vai permitir abastecer de forma mais rápida e eficiente as mais de 100 lojas do grupo retalhista alimentar, em Portugal.

“O novo [centro de distribuição] da Moita, cuja construção se iniciou em fevereiro de 2021 e foi concluída este ano, conta com 89 cais de carga e descarga, 60 lugares de estacionamento para camiões e uma capacidade de armazenamento de 14 mil metros quadrados de câmaras refrigeradas. A nova estrutura foi desenhada para suportar o abastecimento a mais de 150 lojas em território nacional, e surge da natural necessidade em apoiar o ambicioso plano de expansão da Aldi em Portugal, que prevê atingir as 200 lojas em 2025. Esta infraestrutura veio permitir a centralização de toda a operação logística num só local, visto que esta estava anteriormente repartida em duas plataformas: Montijo e Quinta do Anjo”, assinala um comunicado do grupo germânico de distribuição.

O mesmo documento acrescenta que, “de forma a reforçar o seu compromisso de elevada frescura e melhor qualidade ao melhor preço para com os seus clientes, todas as áreas de armazenamento de artigos de tipologia ‘just in time’ (artigos perecíveis onde não é feito ‘stock’) foram reforçadas”.

“Este entreposto está, assim, preparado para receber e armazenar todos os produtos que o retalhista alimentar comercializa atualmente nas suas lojas, visto que está equipado com uma área de armazenamento seco, de frio positivo e negativo”, adianta o referido comunicado.

Os responsáveis da Aldi salientam também que, “para além do investimento em infraestrutura física, é igualmente de destacar o forte investimento em tecnologia”.

“A nova operação logística é suportada pelo mais recente WMS (Warehouse Management System) utilizado em todo o grupo Aldi Nord e todo o sistema de preparação de encomendas é suportado por um robusto sistema de tecnologia de voz (‘Pick by Voice’). Todas estas melhorias operacionais vão resultar num ganho de eficiência nos processos diários da operação, o que se traduz numa maior rentabilização de custos e na otimização de produtividade das equipas”, esclarece o mesmo comunicado.

Wolfgang Graff, CEO da Aldi Portugal, sublinha que, em termos de escolha de localização, “a Moita situa-se numa posição estratégica no país, em termos logísticos, não só em termos de localização geográfica e de acessos, devido à proximidade às autoestradas que facilmente podemos utilizar para chegar às nossas lojas, mas também está bem servida em termos de transportes públicos e infraestruturas relevantes para as pessoas que aqui trabalham todos os dias”.

Também do ponto de vista da sustentabilidade, “o novo Centro de Distribuição da Moita está alinhado com o compromisso do retalhista alimentar”.

“Não só conta com painéis fotovoltaicos com capacidade de produzir energia até 1MW e uma gestão inteligente da iluminação, garantida através de sensores de movimento, como as várias câmaras de frio contam com sistemas de arrefecimento, que minimizam os efeitos nocivos para a camada de ozono ao utilizarem NH3 e CO2, fluidos com menor impacto ambiental”, asseguram os responsáveis da Aldi.

Wolfgang Graff garante que “sempre vimos Portugal como uma oportunidade para crescer na Europa e estamos muito entusiasmados por poder celebrar mais uma grande conquista, a nível nacional”.

“Este Centro de Distribuição simboliza o nosso crescimento e o que pretendemos atingir em Portugal nos próximos anos. Com este novo edifício, conseguimos melhorar ainda as condições de trabalho dos colaboradores que aqui trabalham, oferecendo espaços de trabalho mais amplos e luminosos, zonas sociais mais confortáveis e estacionamento privativo para todos. Este foi um projeto que envolveu o apoio e a colaboração de vários parceiros, essenciais para o seu sucesso, e que nos vai permitir continuar a fazer a diferença em Portugal”, conclui o CEO da Aldi Portugal.

A inauguração deste novo centro contou com a presença do presidente da Câmara Municipal da Moita, Carlos Albino; com a vice-presidente, Sara Silva; e com o presidente da Assembleia Municipal da Moita, António Duro, entre muitos outros convidados e parceiros institucionais.

Recomendadas

CTT procuram startups para programa de inovação aberta em mobilidade

As candidaturas estão abertas até ao dia 9 de julho. A empresa que for escolhida terá mentorias e ‘bootcamps’ ao longo de oito meses e receberá um financiamento de 35 mil euros do Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia.

Beiersdorf vai avaliar decisão da Concorrência e procedimentos legais

“Em qualquer caso, sublinhamos que o cumprimento das normas legais, especialmente no que se refere às regras de concorrência, é fundamental para a Beiersdorf”, acrescenta a empresa que se dedica ao fabrico de produtos de cuidado pessoal.

Pingo Doce considera multa aplicada pela AdC “injusta” e vai impugná-la

“O Pingo Doce confirma ter recebido da Autoridade da Concorrência mais uma decisão de aplicação de coima, no enquadramento das anteriores. Também esta decisão é injusta e imerecida e, por isso, à semelhança das anteriores será impugnada nos tribunais a fim de ser reposta a verdade dos factos”, adiantou, em resposta à Lusa.
Comentários