Alemães com bónus no ordenado para lidar com subida de preços

Em setembro a Alemanha colocou fim à redução do imposto sobre os combustíveis e do passe mensal a nove euros, mas chegou também com um bónus de 300 euros no ordenado, sujeito a impostos.

Dinkelsbühl, Alemanha

O mês de setembro trouxe na Alemanha o fim da redução do imposto sobre os combustíveis e do passe mensal a nove euros, mas chegou também com um bónus de 300 euros no ordenado, sujeito a impostos.

Com as temperaturas a começar a baixar, aumentam entre os alemães as preocupações com a falta de gás na maior economia europeia e a subida dos preços da energia. As mudanças começam a notar-se a partir do início do mês, com o governo a garantir que tudo fará para ajudar a população.

Durante três meses, os alemães puderam viajar nos transportes públicos de todo o país por nove euros. O desconto chegou ao fim a 1 de setembro, com Berlim a querer adotar uma versão deste passe mensal já a partir de outubro. A medida está a gerar controvérsia nos restantes estados federados.

No total, foram vendidos cerca de 52 milhões de passes em junho, julho e agosto, e já foram vários os protestos que reivindicam o regresso da medida. Na segunda-feira, foi entregue uma petição com 450 mil assinaturas nesse sentido, dirigida ao ministro das Finanças Christian Lindner.

Também acabou o desconto do imposto energético sobre os combustíveis, que vigorou durante três meses. Os preços da gasolina e do gasóleo subiram logo no primeiro dia de setembro, com um litro a superar os dois euros em vários postos.

Estas duas medidas serviram de ‘amortecedor’ à subida da inflação que atingiu em maio os 7,9%, tendo caído nos dois meses seguintes, baixando para os 7,5% em julho.

No entanto, o Departamento Federal de Estatística anunciou nesta quarta-feira que a taxa de inflação anual na Alemanha voltou a subir em agosto para os 7,9%, o nível mais alto em quase meio século.

Para aliviar os consumidores, o governo decidiu juntar à folha de vencimento de todos os trabalhadores, mesmo os que trabalham a tempo parcial, um incentivo de 300 euros sujeitos a impostos. O tempo que as transferências vão demorar ainda não é claro.

Em conferência de imprensa, Christian Lindner sublinhou que são necessários pelo menos 18 meses para reunir todos os dados, acrescentando que, atualmente, são possíveis, por dia, 100 mil transferências da administração pública diretamente aos cidadãos.

No entanto, o ministro das Finanças assegurou que “serão encontrados caminhos tecnicamente viáveis”.

Esta semana, a petrolífera russa Gazprom interrompeu novamente o fornecimento de gás através do gasoduto Nord Stream 1, alegando a necessidade de manutenção, pondo em risco a recente descida dos preços do gás e da eletricidade.

Recomendadas

Ryanair condena proposta da ANA de subir taxas aeroportuárias até 15% no próximo ano

“Não há justificação para um aumento de 15% nas já elevadas taxas aeroportuárias da ANA, especialmente quando o tráfego aéreo e turístico português ainda está a recuperar após a pandemia e deve ser apoiado com taxas aeroportuárias mais baixas”, refere a companhia irlandesa numa nota enviada à imprensa.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

OE2023: Subsídio de refeição na função pública sobe para 5,20 euros

O Governo propôs hoje um aumento do valor do subsídio de refeição na função pública, dos atuais 4,77 euros para 5,20 euros por dia, disse hoje o secretário-geral da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap).
Comentários