Alemanha devia sair do euro, diz consultor alemão da Roland Berger

O influente consultor alemão defende que seria “lógico” a Alemanha sair do euro para salvaguardar o futuro da União Europeia.

Depois de tanto se ter ouvido falar em ‘Brexit’, ‘Grexit’, ‘Italexit’ e outros tantos exits, um dos mais reconhecidos empresários alemães, Roland Berger, fundador da consultora financeira com o mesmo nome, vem defender o ‘Alemanhexit’, a fim de se evitar uma “catástrofe” na união comunitária europeia.

Em entrevista ao diário alemão Handelsblatt, Roland Berger afirma que são necessárias decisões “radicais” para evitar o colapso da União Europeia. A maior economia da zona euro mantém excedentes de 9% na balança de pagamentos, no entanto, a política monetária de juros baixos do Banco Central Europeu (BCE) está a ser prejudicial para a economia alemã, enquanto os países do sul da zona euro parecem sair beneficiados com a medida.

Segundo o consultor alemão, estes desequilíbrios económicos podem levar a uma “situação catastrófica”, pelo que a Alemanha deveria sair da zona euro para salvaguardar o futuro da União Europeia.

“Não deveríamos pensar tanto sobre se a Grécia pode ou não ser salva. Em vez disso, devemos ponderar se é ou não é mais lógico para a Alemanha sair do euro para preservar a União Europeia como um todo”, explica Roland Berger.

Roland Berger sugere uma outra alternativa para o problema alemão, também ela controversa. “A outra solução para preservar o euro seria criar uma união de transferências semelhante à que existiu há algum tempo nos estados federais da Alemanha”. Apenas assim, a Alemanha conseguiria manter-se na zona euro sem criar desequilíbrios danosos na estrutura comunitária com os seus excedentes comerciais.

Recomendadas

Covid-19: Várias cidades da China relaxam medidas de prevenção epidémica

Várias cidades chinesas estão a abolir algumas medidas de prevenção contra a Covid-19, sinalizando o fim gradual da estratégia ‘zero casos’, que manteve o país isolado durante quase três anos e afetou a economia.

Obiang “não corria risco de perder” eleições na Guiné Equatorial

O analista político Ebenezer Obadare considera que as recentes eleições na Guiné Equatorial foram “uma farsa” em que o Presidente, Teodoro Obiang, “não corria risco de perder”, e que a oposição “fantasma” não tinha expectativas contrárias.

Kyiv denuncia “aumento drástico” da violência sexual como arma de guerra

O procurador-geral da Ucrânia, Andrei Kostin, denunciou um “aumento drástico” no uso de violência sexual como arma de guerra no país por soldados russos.
Comentários