Alemanha: preço do gás pode triplicar em pouco tempo

As restrições impostas pela Rússia à venda de gás para a Alemanha já se fazem sentir: os preços aumentaram 50%. Mas não vão ficar por aqui.

Gary Cameron/Reuters

O presidente da alemã Federal Network Agency, Klaus Müller, acredita que é possível que os preços do gás ao consumidor tripliquem. “Depende muito de como é a utilização do gás, de como é a rede usada, mas a conta de gás pode triplicar”, disse Müller à RTL/ntv.

Desde o estrangulamento do fornecimento de gás russo na semana passada, o nível de preços aumentou em 50%. “Muitos importadores de gás dizem que gostariam de passar o aumento para os consumidores”, disse Müller. Mas, para isso, uma cláusula de reajuste de preços teria que ser ativada. Mas a incógnita mantém-se, uma vez que o Nord Stream 1 será encerrado completamente “e não sabemos o que acontecerá depois”.

Esta quinta-feira, o ministro da Economia anunciou o segundo dos três níveis de escalada do plano de emergência do gás. O governo federal apresentou o plano após o ataque da Rússia à Ucrânia e agora o nível de alarme subiu porque o a Gazprom estrangulou o fluxo de gás através do Nord Stream 1 (do Mar Báltico) em 60%.

Muitas concessionárias de gás estão agora em uma situação desesperada, segundo a imprensa alemã, pois já estão a comprar gás “a preços exorbitantes”. Existe uma previsão para este cenário na Lei de Segurança Energética alemã: quando o nível de alarme é declarado acima de determinado patamar, as empresas fornecedoras de gás podem obter um direito de reajuste de preço.

Nesse caso, os fornecedores de gás estão autorizados a passar os aumentos de preços para o elo seguinte da cadeia de abastecimento, apesar da manutenção de preços garantida contratualmente – o que faria explodir os custos de energia para os consumidores.

Recomendadas

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

“Levava um tiro por Putin”. Antiga figura da Fórmula Um defende a invasão da Ucrânia

Bernie Ecclestone referiu-se ao líder russo como alguém “de primeira classe” que cometeu “erros” e apontou o dedo a Zelensky por “não ouvir” o Kremlin. Declarações que já mereceram reação da Fórmula Um.

Nova ‘cortina de ferro’ já desce entre a Rússia e o Ocidente, diz Kremlin

“No que diz respeito a uma cortina de ferro, essencialmente ela já está a descer” e esse processo já está em curso, disse o porta -voz de Putin.
Comentários