Alemanha promete enviar armas para a Ucrânia

O chanceler alemão criticou hoje quem “olha para os livros de história, olha para onde estavam as fronteiras e tenta mover as fronteiras pela força”. “Isso é imperialismo e nós não queremos isso na Europa”, afirmou, num evento organizado pela Confederação dos Sindicatos Alemães (DGB),em Düsseldorf. Scholz disse que a Alemanha continuaria a apoiar a […]

Filipe Singer/EPA via Lusa

O chanceler alemão criticou hoje quem “olha para os livros de história, olha para onde estavam as fronteiras e tenta mover as fronteiras pela força”.

“Isso é imperialismo e nós não queremos isso na Europa”, afirmou, num evento organizado pela Confederação dos Sindicatos Alemães (DGB),em Düsseldorf.

Scholz disse que a Alemanha continuaria a apoiar a Ucrânia “com dinheiro e ajuda humanitária, mas também, para que ela se possa defender, com carregamentos de armas, como muitos outros países fazem, porque é necessário neste momento”.

As declarações do responsável foram saudadas por um grupo de manifestantes que gritavam “Paz sem armas”, mas antes o chanceler tinha sido fortemente vaiado e assobiado por quem estava nas comemorações do Dia do Trabalhador, relata a agência de notícias EFE.

Scholz aproveitou o evento de hoje para apresentar “solidariedade” com a Ucrânia e mostrar uma continuação das políticas sociais em que centrou a sua campanha eleitoral.

O chanceler prometeu que o aumento das despesas de defesa e segurança não levará o governo de coligação dos Sociais-Democratas, Verdes e Liberais a abandonar as suas iniciativas “por uma sociedade mais justa e solidária”.

 

Recomendadas

CEO da Microsoft destaca plataforma para ajudar a Ucrânia criada por português

Satya Nadella diz que o “Ukraine Live Aid”, para prestar apoio aos refugiados ucranianos, foi um dos trabalhos “significativos” e “muito necessários” que feitos com as Power Pages da Microsoft.

Ocidente deve ser mais brando com a Rússia e a Ucrânia deve ceder, defende Kissinger

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, os líderes europeus não devem perder de vista o relacionamento de longo prazo com a Rússia, nem devem arriscar empurrá-la para uma aliança permanente com a China. O antigo campeão de xadrez Garry Kasparov disse que essa posição, para além de imoral, foi provada errada repetidamente.

Mais de 200 corpos encontrados em cave de Mariupol

Informação foi avançada por Petro Andryushchenko, conselheiro do presidente da câmara de Mariupol.
Comentários